Testemunha de prêmio da Mega-Sena é morta em SC

A quantia de quase R$ 28 milhões é disputada por empresário e ex-funcionário

A Polícia Civil de Herval d"Oeste, no meio oeste de Santa Catarina, abriu inquérito para apurar a morte de Vilson Salvadori, 39 anos. A vítima era testemunha no caso de divisão do prêmio da Mega-Sena em Joaçaba.

A quantia de quase R$ 28 milhões é disputada pelo empresário Altamir José da Igreja, dono de uma marcenaria em Joaçaba, e seu ex-funcionário, Flávio Biassi. Em setembro de 2007, quando o prêmio foi sorteado, Biassi disse que foi à lotérica fazer o jogo quando voltava do trabalho com o patrão. Como não havia local para estacionar, o chefe o deixou em casa, mas ficou com R$ 1,50 e os números da aposta que venceu o concurso 898. O prêmio estava acumulado em R$ 55,5 milhões e comtemplou dois apostadores, um de Santa Catarina e um de Rondônia.

Salvadori testemunhava a favor do empresário de Joaçaba e disse ter visto o mesmo fazendo a aposta sozinho. O ex-funcionário de Igreja acusa o patrão de ter roubado seu bilhete premiado. Diante do impasse, em junho do ano passado, a Justiça de SC determinou que o prêmio fosse dividido entre os dois, mas ambas as partes iriam recorrer da decisão.

Salvadori foi encontrado morto na manhã do último domingo, em uma área próxima aos trilhos da viação férrea de Herval d"Oeste. Segundo a Polícia Civil do município, o rosto da vítima foi atingido por pedradas e estava desfigurado. Identificado pela família no dia do crime, ele foi enterrado nesta segunda-feira.

De acordo com o policial civil Paulo Roberto Passolt, mesmo com o fato de a vítima ter sido testemunha no caso do prêmio da Mega Sena, os investigadores ainda não chegaram a qualquer indício que comprove a ligação entre os fatos. "Até o momento, não há indícios de que a morte pode ter vínculo com o fato de a vítima ter sido testemunha daquele caso. Além disso, primeiramente estamos concentrados para apurar a autoria da morte. Só depois poderemos analisar se existe ligação entre os casos", disse o oficial.

Fonte: Terra, www.terra.com.br