Testemunha diz ter ouvido gritos do marido de fisiculturista morta

A Polícia Civil do Rio Grande do Norte deverá, ainda esta semana, colher depoimento de uma pessoa que estava hospedada no quarto vizinho

Uma testemunha ouvida pelo delegado especial Frank Albuquerque, designado para investigar a morte da fisiculturista paulistana Fabiana Caggiano Paes, 36, ocorrida no último dia 2 em um hospital particular de Natal, no Rio Grande do Norte, afirmou que "houve luta corporal" entre a mulher e o marido, Alexandre Furtado Paes, 35, quando estavam hospedados no apartamento 505, do Arituba Park Hotel, localizado no bairro Tirol.

A Polícia Civil do Rio Grande do Norte deverá, ainda esta semana, colher depoimento de uma pessoa que estava hospedada no quarto vizinho ao que o casal se encontrava no último dia 27, para confirmar o depoimento de um funcionário do hotel, que teria recebido a ligação de um hóspede reclamando de barulhos semelhantes ao de uma briga antes de a fisiculturista ter sido encontrada desmaiada.

Segundo o depoimento de um funcionário do hotel, o hóspede relatou que estava escutando sons parecidos a uma briga de casal, com luta corporal, em seguida teria ocorrido um vácuo sem barulho e depois gritos com a frase "Acorda, Fabiana! Acorda".

"Alguns minutos depois a testemunha ouviu um estouro semelhante à de um vidro sendo quebrado, que seria do box do banheiro", disse Albuquerque.

A polícia aguarda que o laudo do Itep (Instituto Técnico Científico de Polícia) com a causa da morte de Fabiana seja concluído esta semana para fechar o inquérito policial. Não há data prevista para a entrega do documento.

"A gente espera que o documento seja entregue o quanto antes para colocar um fim no mistério da morte da fisiculturista", disse o delegado em entrevista ao UOL neste domingo (6).

Segundo Albuquerque, dados preliminares repassados à polícia apontaram que Fabiana apresentava sinais de esganadura no pescoço e o pulmão apresentava asfixia mecânica. Caso os indícios sejam comprovados no laudo do Itep, o delegado afirmou que deverá indiciar o marido de Fabiana por homicídio qualificado.

Depoimentos mentirosos

Em depoimento à polícia, Paes negou que tenha ocorrido discussão entre o casal e afirmou que o relacionamento deles era harmonioso.

Ao colher depoimentos de testemunhas que presenciaram Fabiana sendo socorrida no quarto do hotel, o delegado especial afirmou que o marido da fisiculturista prestou depoimentos à polícia com informações mentirosas nas duas vezes que foi interrogado.

Uma das informações relatadas pelo delegado é que Paes disse a polícia que encontrou a mulher caída no chão do banheiro com o chuveiro ligado, mas testemunhas informaram que o corpo e o cabelo de Fabiana estavam secos e o chão do quarto e do banheiro estavam sem vestígios de água.

Enterro discreto

O corpo de Fabiana foi enterrado na manhã desse sábado (5), em Jandira (Grande São Paulo), no cemitério AlphaCampus Memorial Park. A administração do cemitério informou que a família da fisiculturista preferiu não realizar velório e o corpo foi enterrado logo que foi trasladado da funerária para o local, às 9 horas. De acordo com o cemitério, o acesso ao sepultamento foi restrito aos familiares e amigos do casal.

Em outubro de 2012, Fabiana, que era fisiculturista, ganhou primeiro lugar no Campeonato NABBA (National Amateur BodyBuilding Association) de Jandira.

Fonte: UOL