Mércia: Testemunhas da defesa serão ouvidas hoje em audiência

Mércia: Testemunhas da defesa serão ouvidas hoje em audiência

Relembre o que aconteceu na segunda-feira (19), primeiro dia das sessões

A audiência de instrução do caso Mércia Nakashima entra em seu segundo dia nesta terça-feira (19). Estão previstos os depoimentos de 15 testemunhas listadas pela defesa e dos dois réus, o ex-PM Mizael Bispo e o frentista Evandro Bezerra Silva. Segundo o Tribunal de Justiça de São Paulo, a definição sobre se os acusados de matar a advogada irão ou não a júri popular só deve acontecer na quarta-feira (20).

O início da sessão nesta terça-feira está previsto para as 13h no fórum de Guarulhos, na Grande São Paulo. A audiência é presidida pelo juiz Leandro Bittencourt Cano.

Serão ouvidos nesta terça Pedro Cantuária, Matheus Ferreira Loureiro dos Santos, Maria Aparecida de Lima Araújo, Nilza Porto de Souza, Marcos Rogério Manteiga, Carlos Floriano Filho, o delegado Antônio de Olim e Patrícia Santos Damasceno. Os oito foram listados pelos defensores de Mizael. Já em defesa de Silva serão ouvidos Luiz Araújo Sobrinho, Érmerson Silva de Souza, Alseu Cardoso dos Santos, Gentil José Oliveira, Marcos José dos Santos, Enaldo Bezerra Silva e Maria Izabel Ferreira Aleixo.

Ainda há três testemunhas que foram solicitadas pelo juiz: Leonardo de França, o perito Renato Pattoli e uma pessoa não identificada. Elas devem prestar depoimento na quarta-feira, mas pode haver inversão na ordem dos depoimentos, segundo o TJ. Só depois de as testemunhas serem ouvidas, o magistrado deve interrogar os réus.

1º dia

Na segunda-feira (18), foram ouvidas sete testemunhas de acusação. Entre elas, estavam os dois irmãos da vitima, Cláudia e Márcio Nakashima. Os dois ressaltaram diante do juiz que a relação de Mércia com Mizael era conturbada e que o casal brigava muito. Eles também disseram que a família estaria sofrendo ameaças.

Para o advogado da família, Alexandre de Sá Domingues, o depoimento mais importante foi o do investigador policial Alexandre Simoni Silva. Segundo Sá, o policial conseguiu explicar como foi feita a coleta de dados dos telefonemas entre os acusados e como esses registros comprovaram que Mizael não esteve parado no Hospital Geral de Guarulhos no dia e horário em que Mércia foi morta.

Sá também fez um balanço positivo do depoimento das testemunhas de acusação. Para ele, as provas mostram que Mizael e Silva mataram a advogada. O advogado de defesa do ex-namorado de Mércia, Samir Haddad Júnior, no entanto, declarou ao final do primeiro dia de sessão que ninguém conseguiu provar nada contra seu cliente e disse que os depoimentos bons para a defesa.

Além dos irmãos da vítima e do investigador da polícia, prestaram depoimento Bruno de Oliveira da Silva, Jurandir Ferreira da Silva, Maria Cleonice Ferreira e uma testemunha sigilosa, que foi o pescador que relatou ter visto o carro de Mércia ser empurrado para dentro da represa de Nazaré Paulista, no interior de São Paulo, no dia 23 de maio, quando a advogada desapareceu.

Fonte: R7, www.r7.com