THE:Atividades educativas de combate ao Aedes aegypti são aplicadas

Haverá mais uma ação, que será na terça-feira (19).

A luta contra o Aedes aegypti, mosquito causador da dengue, zika e chikungunya, deve ser um esforço constante. Por isso, o Núcleo de Educação em Saúde, vinculado à Fundação Municipal de Saúde (FMS) está organizando uma série de atividades com a população.


Atividades educativas (Crédito: Divulgação)
Atividades educativas (Crédito: Divulgação)

Na próxima sexta-feira (15) haverá uma grande atividade no canteiro do cruzamento entre as Avenidas Frei Serafim e Miguel Rosa. Os profissionais montarão um estande no local e distribuirão material educativo entre transeuntes, motoristas que circulam pelo local. “A ideia é fazer um ‘corpo a corpo’, falar com eles sobre mudança de atitude e eliminação das condições que favorecem a reprodução do vetor, sobre as doenças e medidas preventivas”, conta Júlia Rocha, coordenadora do Núcleo de Educação em Saúde da FMS.

Já na segunda-feira (18), as equipes estarão na praça da Igreja do bairro São João, em parceria com as equipes Estratégia Saúde da Família que atuam no local. Haverá a presença do estande e de um Espaço Criança, para que os pequenos possam aprender de forma lúdica como evitar o acúmulo de lixo em suas casas.

 “Nós vemos as crianças como importantes disseminadoras de informação. Elas aprendem tudo rapidamente e ensinam sua família, amigos e vizinhos”, explica Júlia Rocha. É pensando nisso que o NESC também está visitando todas as escolas públicas municipais e estaduais para entregar kits com CDs, cartazes e fôlderes sobre o tema.

Ainda no esforço de sensibilizar a população, haverá mais uma ação, que será na terça-feira (19) no Shopping da Cidade. As pessoas que circulam no local poderão ter acesso a uma série de informações, receber material educativo e também tirar dúvidas e receber dicas sobre dengue, zika e chikungunya.

Com estas atividades, a FMS pretende mostrar a todos a importância da prevenção. “Toda a população deve tomar providências no sentido de eliminar os criadouros”, afirma Júlia Rocha. “A gente não pode perder esta luta, ainda mais agora que estamos em um momento atípico. O Aedes aegypti agora pode transmitir doenças que trazem problemas sérios com sequelas para a vida toda, por isso atenção especial às faxinas domésticas, especialmente nos quintais e áreas abertas. Não podemos deixar nenhuma área descoberta em nossa limpeza diária”, finaliza a coordenadora.

Fonte: Com informações da Assessoria