Tia diz a polícia que bebeu antes de agredir sobrinho deficiente

Tia diz a polícia que bebeu antes de agredir sobrinho deficiente

Em depoimento, tia disse que irmã não ofereceu dinheiro pela agressão.

A tia que agrediu o sobrinho com deficiência intelectual confessou à polícia, nesta sexta-feira (5), que não agiu por conta de um pedido da mãe da criança, mas sim porque havia ingerido bebida alcoólica e estava descontrolada. O crime ocorreu nesta terça-feira (2), no bairro Soteco, Viana, na Grande Vitória. A mãe, que estava foragida, foi detida no Hospital Infantil de Vitória na noite desta quinta-feira (4), enquanto visitava o filho. Porém, segundo a Polícia Civil, ela não permanecerá presa.

A polícia explicou que a primeira versão contada pela tia, Luciana Batista, foi de que sua irmã, mãe do menino, havia oferecido R$ 2 mil para agredir e matar o próprio filho. A princípio, ela negou a agressão. Ela continuará presa no Presídio Feminino de Xuri, em Vila Velha, local para onde foi levada no dia do crime. O menino foi agredido com um pedaço de madeira com pregos e chegou em estado grave ao hospital.

Entenda o caso

Após a agressão, moradores do bairro disseram que a tia saiu correndo pela rua e gritou que havia matado a criança com um pedaço de madeira com pregos. A polícia foi acionada e, durante o socorro, ouviu da própria criança que a tia havia a agredido.

No dia do crime, o delegado Leandro Piquet informou que a mãe ofereceu o dinheiro para que a irmã matasse o sobrinho. ?Temos a informação de uma tentativa de homicídio cruel, duplamente qualificada, com promessa de recompensa. O menino era deficiente intelectual e não havia tomado os medicamentos. Além disso, elaestava com os ânimos alterados", explicou.

Fonte: G1