Tio de menino desaparecido diz que mãe e padrasto agem com descaso

"Estão descansando", diz Felipe Paes sobre Justiça negar prisão do casal.


Tio de menino desaparecido diz que mãe e padrasto agem com descaso

Visivelmente cansados, o pai e o tio do menino Joaquim Ponte Marques, desaparecido há três dias em Ribeirão Preto (SP), prestaram novos depoimentos na manhã desta sexta-feira (8) na Delegacia de Investigações Gerais (DIG). Ao chegarem ao local, o tio, Felipe Paes, criticou a ex-cunhada e o atual marido dela, os últimos a terem contato com o garoto, afirmando que ambos não estão colaborando com o caso.


Tio de menino desaparecido diz que mãe e padrasto agem com descaso

?Eu acho muito estranho eles dizerem que estão preocupados, mas não aparecerem por aqui [na delegacia]. Eles só vêm aqui porque a polícia manda. A gente não dorme e eles estão em casa descansando?, afirmou.

A mãe do garoto, Natália Ponte, e o padrasto, Guilherme Longo, tiveram o pedido de prisão temporária negado pela Justiça na tarde de quinta-feira (7) e permanecem na casa da família, de onde o garoto de 3 anos desapareceu misteriosamente, na madrugada de terça-feira (5). O Corpo de Bombeiros informou que as buscas pela criança foram encerradas, até o surgimento de novos indícios sobre o caso. Na quinta-feira, equipes passaram o dia todo no Rio Pardo à procura de pistas.

Ainda na quinta-feira, Felipe criticou a decisão da juíza da 2ª Vara Criminal de Ribeirão, Isabel Cristina Alonso dos Santos, que negou o pedido de prisão, alegando que o casal colabora com as investigações e não oferece risco de fuga. ?A gente está há três dias em frente ao DP [Distrito Policial] esperando uma juíza decretar a prisão. Não, não dá a prisão. O cara [padrasto] está dormindo, na casa dele. É certo isso??, disse o tio do menino.

Felipe e o irmão, o produtor de eventos Arthur Paes, pai de Joaquim, moram em São Paulo e estão hospedados em um hotel próximo à delegacia desde terça-feira, quando receberam a notícia do sumiço do garoto. Ao contrário do discurso amistoso dos últimos dias, Arthur disse que também não concordou com a decisão da juíza, de negar a prisão temporária de Natália e Longo.

"Eu não concordo, meu filho está sumido há três dias, não tenho resposta. O menino precisa de tratamento médico, precisa de ajuda e ninguém ajuda, ninguém fala nada. Não estou acusando ninguém, eu só quero uma resposta. Eu preciso saber o que está acontecendo", afirmou o pai do menino, visivelmente emocionado.

Arthur afirmou que está tomando calmantes, mas tem conseguido dormir, em média, apenas duas horas por noite. Na madrugada de quarta-feira (6), ele disse ter percorrido as principais ruas do Centro da cidade, entregando panfletos com informações e foto do filho. A ação se repetiu durante todo o dia em frente à delegacia, mesmo embaixo de chuva.

"Eu estou perdido. Eu quero uma resposta, eu preciso de uma resposta. Ou a juíza, sei lá, manda para a Dilma [Rousseff], alguém precisa me ajudar, o governador de São Paulo. O que eu não posso é ficar três dias plantado na porta de uma delegacia sem saber do meu filho", disse o pai do menino.

Fonte: G1