Tiros em delegacia elevam para 114 o número de ataques no Estado de SC

Segundo a PM, às 3h50 deste domingo (3) dois homens num Ford Fiest passaram na frente da central de polícia e atiraram cinco vezes no prédio.

Um ataque a tiros contra uma delegacia de polícia em Itajai (100 km de Florianópolis) ocorrido na madrugada deste domingo (3) eleva para 114 o número de incidentes da onda de violência que atingiu 37 cidades catarinenses nos últimos 31 dias. O domingo marca o aniversário de 10 anos da facção criminosa PGC (Primeiro Grupo Catarinense), que lidera os ataques de dentro das cadeia. As forças de segurança estão com um esquema especial de prontidão, temendo novos ataques na data.

Segundo a PM, às 3h50 deste domingo (3) dois homens num Ford Fiest passaram na frente da central de polícia e atiraram cinco vezes no prédio, acertando as paredes, sem fazer vítimas. Várias guarnições da polícia passaram circular na área mas não encontraram os atiradores.

O ataque é o primeiro incidente a ser contabilizado pela Polícia Militar desde o dia 25 de fevereiro, quando bandidos não identificados atiraram contra a casa de um soldado PM em Criciúma, no Sul do Estado, sem feridos.

As ações do PGC diminuiram desde o início da reação do Estado, em 18 de fevereiro. A Força Nacional de Segurança Nacional ocupou sete presídios e transferiu 40 presos para cadeias fora do Estado. As polícias civil e militar prenderam 197 pessoas em conexão com os ataques. A Polícia Rodoviária Federal está com 17 barreiras físicas nas divisas catarinenses com o Paraná e Santa Catarina, dando geral em carros.

As ocorrências diárias de incêndios de carros pelo Estado não estão mais sendo incluidas pela PM como sendo parte da onda de ataques desde o dia 18 de fevereiro. A PM só conta agora quando é ônibus ou quando são atentados contra instalações policiais. A Polícia Civil está investigando os ataques a carros como suspeitos. Segundo o delegado Akira Sato, do Deic (Departamento de Investigações Criminais) "são tantos os ataques a carros que parece coisa do crime organizado", ressalvando que a conexão ainda não foi confirmada.

Nesta madrugada, em Chapecó, uma pessoa morreu num incêndio de uma casa no bairro Presidente Médici. O Instituto de Perícias ainda não confirmou se foi ato de vandalismo, acidente ou ataque do PGC. Em São João do Sul, dois homens não identificados tentaram incendiar com uma bomba molotov um caminhão que estava no pátio de um posto de combustível e fugiram num Gol prata. A bomba falhou. A PM não viu conexão com os atentados.

Fonte: UOL