Tiroteios assustam moradores do Complexo do Alemão

Tiroteios assustam moradores do Complexo do Alemão

O suspeito Evandro Delfino Ataíde, 37 anos, foi baleado nas nádegas

Pela primeira vez após a pacificação do Complexo do Alemão, no Rio de Janeiro, dois tiroteios diferentes assustaram moradores da comunidade, no fim da noite desta terça-feira. Na primeira ação, soldados do Exército evitaram o assalto de um ônibus na esquina da Avenida Itaoca com Estrada do Itararé, perto de um dos acessos à favela. Tiros traçantes foram vistos cortando o céu em direção à rua. Pelo menos uma clínica odontológica e três casas da Vila Condomínio do Sol foram atingidas, mas ninguém se feriu.

O suspeito Evandro Delfino Ataíde, 37 anos, foi baleado nas nádegas e socorrido por um médico do Exército no QG da Brigada Paraquedista, antes de ser levado para o Hospital Getúlio Vargas, na Penha. Os militares também reagiram aos tiros disparados por três homens dentro de um carro na mesma avenida. A placa do veículo não foi anotada. Os tiros também amedrontaram os motoristas que passavam pela Avenida Itaóca.

"Foi tudo muito rápido. Vi os soldados dando tiro para o alto e depois dispararam em direção ao cara, que caiu no chão. Depois veio um carro disparando tiros. Foi quase ao mesmo tempo. Não deu para ver direito porque procurei me abrigar para não levar uma bala perdida", contou um frentista do posto que fica na interseção da Estrada do Itararé com Avenida Itaóca.

O major Fabiano Lima de Carvalho, oficial de comunicação da brigada, garantiu que os dois episódios não irão alterar o planejamento do Exército na região, que ainda esta semana deverá ocupar o interior do Complexo do Alemão.

"Não vivenciamos nada semelhante em quase um mês de ocupação, mas nada vai alterar nossas estratégias de ação até porque, aparentemente, foram dois eventos isolados. O planejamento permanece e, ainda esta semana, o Exército vai sair do perímetro externo do morro para o perímetro interno", garantiu o major, que abriu Inquérito Policial Militar (IPM) para apurar os detalhes sobre os disparos.

Um dos soldados que estava na patrulha a pé disse que a ação foi rápida. "Disparamos para o alto e depois demos um jeito de fazer o miliante parar de correr", explicou. A mesma equipe foi alvejada por homens de dentro de um carro, Segundo a 21ª DP, localizada em Bonsucesso, onde o caso foi registrado, o suspeito de usar uma arma de brinquedo para assaltar o ônibus tinha quatro passagens pela polícia: duas por tráfico de drogas, furto e outra uso de entorpecentes.

Fonte: Terra, www.terra.com.br