Tráfico pediu dinheiro a Adriano para festa infantil

Tráfico pediu dinheiro a Adriano para festa infantil

Jogador teria comprado R$ 30 mil em cestas básicas para a comunidade.

O advogado do jogador Adriano, Rafael Matos, contou que o jogador afirmou, em depoimento prestado à polícia nesta quinta-feira (3), que recebeu um pedido de dinheiro ao traficante Fabiano Atanásio da Silva, conhecido como FB, chefe de uma facção criminosa.

Segundo ele, no entanto, o dinheiro não foi repassado para o traficante, mas teria sido sacado pela mãe do craque. ?Ele disse que não foi R$ 60 mil, como vem sendo divulgado, disse que num determinado momento o FB mandou pra ele um recado, se ele podia ajudar numa festa da criança na Vila Cruzeiro. Ele já vem fazendo um trabalho na comunidade junto com a mãe dele?, disse o advogado.

Após três intimações da Polícia Civil, Adriano prestou depoimento na tarde desta quinta-feira, na 38ª DP (Irajá), no subúrbio do Rio. Segundo o delegado Luiz Alberto Andrade, Adriano negou que tenha repassado dinheiro ao traficante FB.

Segundo Matos, Adriano teria comprado cerca de R$ 30 mil em cesta básica e ainda teria alugado um caminhão para transportar e distribuir as doações na comunidade do subúrbio da cidade. O restante do dinheiro teria ficado com a mãe do jogador, que teria realizado o saque. ?R$ 20 mil ficou com a mãe dele para despesa pessoal. Quem fez o saque no banco foi a própria mãe do Adriano?, afirmou o advogado.

Depoimento à polícia

Adriano chegou à delegacia por volta das 16h30, acompanhado do advogado Adilson Fernandes. O atacante é testemunha numa investigação que apura crimes de tráfico de drogas, associação para fins de tráfico e posse ilegal de arma de fogo praticados por integrantes de uma organização criminosa, que controla o tráfico nas comunidades de Furquim Mendes e Dique, em Jardim América, no subúrbio da cidade.

Escutas telefônicas feitas com autorização da Justiça teriam flagrado o jogador permitindo que um amigo sacasse R$ 60 mil de contas bancárias dele.

MP vê fortes indícios contra o craque

Na quarta-feira (2), Adriano foi ouvido por quase duas horas no Ministério Público. Em nota, O MP disse que ?considera gravíssimos os fatos que põem o jogador como suspeito e que há fortes indícios de que ele tenha repassado dinheiro ao traficante Fabiano Atanásio da Silva, o FB?, líder de uma facção criminosa.

FB é apontado pela polícia como o homem que ordenou o ataque ao helicóptero da PM em outubro de 2009. Três policiais morreram na queda do helicóptero.

Quebra de sigilos telefônicos e bancário

No texto, o Ministério Público diz ainda que quer a quebra dos sigilos telefônico e bancário do atacante, como já havia sido pedido à Justiça pela 38ª DP (Brás de Pina). O MP deu um prazo máximo de 60 dias para a polícia concluir as investigações e apresentar o relatório final.

Ainda de acordo com o órgão, o promotor Alexandre Themístocles pediu que a Justiça não prorrogue as autorizações para interceptações telefônicas por acreditar que o recurso não seja mais necessário às investigações e porque fatos sigilosos estariam sendo divulgados para a imprensa.

Jogador vai poder deixar o país

Com viagem marcada para a Itália no próximo domingo (6), o jogador Adriano, segundo o delegado, não está impedido de deixar o país. Luiz Alberto Andrade informou que, além do atacante ser testemunha no inquérito, não há um mandado de prisão ou documento que o impeça de viajar.

?Para a polícia, ele já cumpriu a primeira parte das investigações. Agora é esperar para saber se o juiz vai ou não acolher a quebra de sigilo bancário e telefônico para juntar com o depoimento. Não há um impedimento legal para ele viajar?, completou o delegado.

Fonte: g1, www.g1.com.br