Transformista cearense é encontrado morto dentro de quarto em cidade italiana

A polícia suspeita que a causa da morte tenha sido envenenamento

Um brasileiro que vivia na Itália foi encontrado morto em seu apartamento na cidade italiana de Modena. Francisco Nazareno Pinheiro Machado morreu em 16 de março e foi encontrado no dia seguinte, deitado sobre sua cama.

A polícia suspeita que a causa da morte tenha sido envenenamento. Machado era cearense e tinha 31 anos.

Dinheiro e jóias, além de alguns equipamentos eletrônicos, foram levados do apartamento, que não foi arrombado. Também não havia sinais de luta corporal. De acordo com a irmã dele, Cléo Machado, um laudo inicial, que ela recebeu por e-mail de amigos neste sábado, apontava que a vítima não tinha nenhum problema de saúde. "Ainda estamos aguardando o laudo final da polícia, que ainda não sabemos quando será divulgado." O corpo deve chegar a Fortaleza nesta quinta-feira (26).

Cléo conta que o irmão trabalhava como vendedor numa loja de perfumes e fazia shows como transformista à noite para ganhar um dinheiro extra. Quase toda a renda do rapaz era enviada para a família no Brasil, que ajudava a sustentar. "Ele ajudava a pagar o convênio médico da minha mãe, o condomínio do apartamento onde moro com a minha mãe e meu filho de quatro anos, no valor de R$ 320. Ele sempre nos ajudava", conta Cléo.

Segundo a irmã, ele foi para a Itália com 19 anos. Para tentar conseguir a cidadania italiana, Cléo conta que ele havia entrado em contato com uma mulher italiana que se dispunha a casar com ele. "Ele até me passou o endereço dela para onde eu deveria mandar um documento daqui do Brasil dizendo que ele nunca havia se casado."

Há 12 anos sem vir ao Brasil, ele planejava passar férias em Fortaleza neste ano e já havia comprado diversos presentes para a família _alguns desses objetos foram roubados na noite de sua morte.

Cléo afirma que a polícia italiana já interrogou duas vezes uma moradora do prédio de Francisco. ?Ele conheceu essa senhora há alguns meses. Como ela era pobre, meu irmão, que era muito bom e confiava em todo mundo, ajudava dando dinheiro e comida. Ela vivia indo no apartamento dele e sabia onde ficava tudo?, relata.

Segundo a irmã, quando Franscisco foi encontrado, ele estava deitado na cama e usava uma toalha, como se tivesse saído banho e fosse se trocar. "Tinha também uma Bíblia aberta e uma oração copiada. Ele era muito religioso", conta Cléo.

Sem saber a quem recorrer para conseguir mais informações, Cléo está aflita por não conseguir mais ajuda. Ela afirma já ter enviado vários e-mails para a delegacia da cidade, mas não obteve resposta.

Fonte: g1, www.g1.com.br