Turistas inglesas relatam "inferno" vivido em prisões do Rio

Já o presídio Nelson Hungria, para onde foram transferidas posteriormente, é o "portão do inferno"

As duas turistas britânicas acusadas de praticar fraude relataram os "horrores" dos seis dias que ficaram presas no Brasil. Em entrevista ao jornal Daily Mail, Shanti Simone Andrews e Rebecca Claire Turner, ambas de 23 anos, classificaram uma delegacia em Mesquita, no Rio de Janeiro, como um lugar imundo e cheio de ratos.

Já o presídio Nelson Hungria, para onde foram transferidas posteriormente, é o "portão do inferno". Shanti e Claire foram presas no último dia 26, após tentarem registrar um suposto furto de que teriam sido vítimas. Só que a polícia descobriu que se tratava de um "golpe do seguro". O desembargador Sérgio Verani, da 5ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio, entendeu que a privação de liberdade para um crime de estelionato, cuja a pena é de um a cinco anos, com redução de um a dois terços, não era necessária nesse caso, e ambas foram libertadas.

Ao Daily Mail, elas disseram que "não conseguiam parar de tremer" durante o período presas. "Foi como viver um pesadelo acordada. Foi a coisa mais terrível que aconteceu na minha vida. Eles só falavam português, e nós, só inglês. Achei que nunca mais sairíamos de lá", disse Rebecca ao jornal. "Não havia celas, apenas cinco ou seis salas pequenas com 25 mulheres em cada. Nós dormimos no corredor, direto no concreto. Eles apenas nos deram um cobertor fino". "Não havia pátio, nem tempo para exercícios. Durante o dia era muito quente e úmido. De noite, muito frio. E tinha muito barulho. Algumas mulheres ficavam cantando, mas outras choravam, gritavam palavrões", relatou a britânica. "Havia um único chuveiro para todas, e com pouca água.

O vaso sanitário não funcionava. O cheiro era terrível, muito pior do que você pode imaginar", disse, segundo o Daily Mail. Quando foram transferidas para o presídio, onde permaneceram por uma noite, elas disseram terem sido informadas que seria um local mais confortável. Depois de esperarem três horas na "chuva torrencial", elas pensaram estar "nas portas do inferno". Apenas com as roupas do corpo, elas dizem ter sofrido com o frio. "Mas isso não foi o pior", disse Shanti. "Perguntaram se nós éramos lésbicas. Ficamos com medo de sofrer algum tipo de abuso", afirmou.

Segundo o Daily Mail, as duas serão julgadas e, se forem condenadas, podem pegar cinco anos. A viagem da dupla ao Rio fazia parte de uma volta ao mundo que duraria nove meses e passaria por 30 países. Elas disseram ter sido roubadas dentro de um ônibus, perdendo cerca de R$ 4 mil entre bens e dinheiro. Foram prestar queixa, mas a polícia acabou achando alguns objetos supostamente roubados no armário do albergue onde elas estavam hospedadas.

Fonte: Terra, www.terra.com.br