Veja vídeo com mais fotos da professora sadomasoquista suspeita de abuso sexual

Veja vídeo com mais fotos da professora sadomasoquista suspeita de abuso sexual

De acordo com a polícia, ela foi transferida para 89º DP na noite desta terça-feira.

O namorado de professora sadomasoquista suspeita de abuso sexual foi transferido para CDP (Centro de Detenção Provisória) de Pinheiros, na zona oeste de São Paulo. Segundo a Polícia Civil, o técnico de informática, de 36 anos, foi levado por volta das 10h desta quarta-feira (29). O casal é adepto do sadomasoquismo, uma prática sexual que envolve dominação e dor, e foi preso em flagrante suspeitos do abuso sexual de uma menina de 14 anos.

De acordo com a polícia, a professora universitária de 35 anos, também foi transferida do 97ºDP, em Americanólis, para o 89ºDP, no Portal do Morumbi, zona sul, mais ainda na noite da terça-feira (28).

O casal foi preso na segunda-feira (27) após o pai de uma adolescente, suposta vítima dos dois, desconfiar do comportamento da filha e começar a monitorar o computador da jovem. Segundo o pai, a menina acessava sites eróticos e se comunicava com o casal em sites de relacionamento.

Novas fotos divulgadas nesta terça-feira mostram alguns detalhes dos rituais que os dois realizavam no apartamento dela. O zelador e a subsíndica do prédio da professora disseram que nunca haviam notado nenhum comportamento suspeito em seu apartamento.

Pai investiga

O frentista João Silva de Souza perdeu a tranquilidade ao ver a filha chegar em casa bem mais tarde do que o esperado, carregando um corpete com espartilhos em uma sacola. A sensação de que alguma coisa não estava certa aumentou ainda mais quando a professora universitária Luciana Simões ligou para a casa dele dizendo que a adolescente, de 14 anos, tinha um caso com um homem mais velho.

No dia seguinte, Souza decidiu pedir as contas do emprego. Avisou o chefe que a filha estava estranha, não fazia mais nada além de ficar presa ao computador, e ele queria entender o porquê. Na noite do telefonema de Luciana, sentiu que os olhos marejados da garota, que estava ao seu lado, revelaram um pedido silencioso de ajuda. Ela tinha medo de dizer aos pais que havia se envolvido com um casal que praticava sexo sadomasoquista.

? Eu percebi que minha filha estava precisando de mim. Ela não quis falar, mas eu percebi nos olhos dela [...]. Eu tenho duas folgas por mês. Além do posto, também faço meus bicos arrumando e montando computadores. Mas eu nunca deixei de prestar atenção em cada movimento das minhas meninas. Entre o trabalho e minha filha, é claro que eu vou preferir ajudá-la.

A partir daí, Souza usou os conhecimentos de informática e instalou um programa no computador da filha para monitorar cada passo dela. De hora em hora, recebia no computador dele uma cópia de toda a conversa da adolescente com o casal, além de fotos em que ela participava de sexo sadomasoquista. O frentista conta que teve que manter o "sangue-frio" para permitir que a adolescente mantivesse contato com Luciana e o namorado dela, Rodrigo Pereira Rodrigues, enquanto ele não conseguia todas as provas que precisava.

? Para lidar com gente fria, tive que ser frio também. Durante 15 dias, eu praticamente não dormi. Parei tudo, parei minha vida. Eu recebia, a cada hora, uma nova atualização das conversas que aqueles pedófilos mantinham com minha filha. Não é fácil ver uma foto da minha menina amarrada a uma cadeira, junto desses nojentos. Tive que ver minha filha sendo assediada para conseguir as provas. Chorei muito durante todo esse tempo.

Fonte: R7, www.r7.com