Cresce 60% venda de sistema para segurança em Teresina

As empresas precisam correr para trazer novidades aos clientes residenciais e comerciais, que estão investindo cada vez mais

A escalada dos roubos e assaltos em Teresina vem provocando uma verdadeira corrida às empresas que comercializam produtos e sistemas de segurança.

Em um desses estabelecimentos, localizado na zona Leste da cidade, os relatos de vendedores dão conta de que o aumento na procura esteja entre 50 e 60% desde o mês de janeiro.

Com isso, as empresas precisam correr para trazer novidades aos clientes residenciais e comerciais, que estão investindo cada vez mais.

O vendedor Francisco Alves Ferreira explica que a procura cada vez maior também é motivada pelo fato de que existem possibilidades para diversas faixas de poder aquisitivo. Os itens vão da já conhecida cerca elétrica aos mais sofisticados sistemas de monitoramento e vigilância.

Um dos mais procurados é o sistema CFTV - circuito interno de câmeras. A base do sistema é um equipamento chamado de Stand Alone, que funciona como uma central que interliga as câmeras e armazena as imagens de acordo com a capacidade do disco de armazenamento do aparelho.

Existem opções de até 2 gigabytes de memória para que as imagens sejam guardadas. O usuário tem a opção de configurar acessos remotos para que as imagens possam ser disponibilizadas diretamente em seu telefone celular, em tempo real.

"Isso faz com que a pessoa, mesmo em uma viagem de férias para o litoral, por exemplo, veja em plena praia o que as câmeras estão registrando em sua casa", explica Francisco.

Geralmente, os Stand Alones são comercializados em diversas variantes - permitindo a conexão de quatro, oito, 16 ou 32 câmeras simultaneamente. "O mais interessante é que, geralmente, o cliente que adquire um sistema desses geralmente procura ampliar a quantidade de câmeras.

Ou seja: quem compra um sistema com quatro, geralmente aumenta em seguida para oito, por exemplo. E essa quantidade - oito câmeras - é justamente a que costumamos recomendar", complementa o vendedor.

Estabelecimentos comerciais de grande porte geralmente estão buscando as câmeras chamadas de Speed Dome, que giram em 360 graus, captando imagens em alta definição - o que possibilita a visualização precisa de detalhes como a placa de um carro, por exemplo.

Isso é possível graças às aproximações de foco e zoom que o equipamento permite. Essas câmeras são similares às usadas pela Polícia Militar para fazer o monitoramento das vias urbanas.

Os sistemas de vídeo porteiro também estão entre os produtos mais pedidos. Neles, um pequeno monitor permite a visualização de quem está tocando o interfone do lado de fora.

Um recurso adicional faz com que, no quarto toque no interfone (sendo os três primeiros sem resposta por parte dos ocupantes da casa), um sinal seja enviado diretamente ao telefone celular do proprietário, avisando-o de que há uma pessoa na porta de sua casa. Também existem modelos com mais de uma câmera.

E alguns itens surpreendem pela engenhosidade - caso de um espelho côncavo (semelhante ao utilizado nos ônibus coletivos) que guarda em seu interior uma câmera de vigilância. A aparência externa não dá nenhuma pista de que ele seja diferente de um espelho comum, mas as imagens são capturadas com alta qualidade.

A procura por motores elétricos rápidos para portões também vem crescendo bastante, de acordo com o vendedor.

Alarmes com sensores de presença - diretamente conectados a empresas de segurança particular, também são sucesso de vendas. Francisco explica que os consumidores de sistemas de segurança costumam focar mais nas possibilidades do equipamento do que no preço do investimento. "Estão mais interessados nos recursos dos equipamentos do que no preço a pagar", resume ele.

Fonte: Dowglas Lima