Vídeo mostra beijo que teria causado alerta em aeroporto dos EUA

Vídeo mostra beijo que teria causado alerta em aeroporto dos EUA

Adeus foi flagrado por câmera de segurança em Newark.

Um vídeo divulgado por um senador americano mostra o beijo de despedida que pode ter causado o alerta de segurança que fechou o aeroporto americano de Newark no último dia 3, provocando atrasos que prejudicaram milhares de passageiros.

O vídeo mostra um homem aproveitando a ausência de um guarda para passar por uma barreira de segurança e despedir-se de sua companheira.



vídeo de segurança feito no dia 3 mostra o beijo que teria provocado o alerta de segurança no aeroporto americano de Newark. Um homem tentado dizer adeus para sua companheira teria aproveitado a ausência de um guarda para passar uma barreira de segurança, o que provocou o fechamento do terminal e atrasos nos voos. (Foto: AP)

A falha no Newark Liberty International Airport, um dos três grandes aeroportos que servem a região de Nova York, abalou as autoridades de segurança e da indústria da aviação porque aconteceu logo depois do atentado a bomba frustrado em um avião que seguia para Detroit, nos EUA, no dia do Natal.



Passageiros lotam o saguão do aeroporto americano de Newark neste domingo (3). (Foto: Reuters)

Uma imagem do incidente em Newark mostra o homem beijando uma mulher no posto de segurança C-1 antes de ela passar pelo scanner.

O homem, que não era um passageiro, passa pelo local onde um agente da Administração de Segurança no Transporte (TSA, na sigla em inglês) deveria estar para se aproximar da mulher, disse o jornal.

A mulher, então, segura uma corda que separa a área da segurança para que o homem passe por baixo dela, e os dois andam de mãos dadas em direção à área de embarque antes de saírem de vista, divulgou o jornal.

O homem deixou o aeroporto e não foi identificado. O funcionário da TSA que trabalhava na área foi afastado.

Um dos aviões sequestrados nos ataques de 11 de setembro de 2001 decolou do aeroporto de Newark. A aeronave caiu num campo da Pensilvânia.

Fonte: AE/G1