6 coisas que você provavelmente não sabia sobre Michel Temer

Temer escreveu um bestseller, em que defende o impeachment

O ex-presidente-interino Michel Temer assumiu, de fato, a presidência do Brasil. Dilma Rousseff foi afastada pelas chamadas pedaladas fiscais - um atraso no repasse da verba governamental para bancos. Ela ainda deve recorrer no Supremo Tribunal Federal, mas até que haja alguma mudança, quem assume a faixa presidencial é Temer.

Você já deve saber algumas polêmicas sobre o novo presidente - como o fato de que ele nomeou apenas homens brancos como ministros, que ele começa cartas com citações em latim, ou até que que quem aprovou o design do novo logo do governo federal foi Michelzinho, seu filho de 7 anos -, mas separamos seis informações sobre o novo presidente do Brasil que talvez sejam novidades para você.

Image title

1- Temer já foi a favor da legalização do Jogo do Bicho

Em 1984, quando foi nomeado Secretário de Segurança do então governador de São Paulo, Franco Montoro, Temer defendeu que o Jogo do Bicho fosse legalizado. "Eu não vejo razão para deixar de lutar pela legalização do jogo", afirmou em depoimento à Comissão Especial de Inquérito da Assembleia Legislativa de São Paulo, naquele mesmo ano. Sua exigência é que os lucros dos jogos fossem divididos com o Estado e com o município

Aparentemente, sua opinião não mudou tanto. Em maio, a Folha de São Paulo publicou uma matéria que revelava a simpatia de ministros do novo governo em relação à legalização dos jogos de azar - e congressistas que também visam a aceitação legal das partidas afirmaram à reportagem que Temer era a favor do tema.

2 - Um de seus projetos de lei foi tentar criar o "Dia Nacional do Vendedor"

Um dos projetos de lei de Temer enquanto estava na Câmara a PL 1658/1989, que visava instucionalizar Dia Nacional do Vendedor. Não te empolgou? Então você é mais regra do que exceção. O projeto não vingou, e foi rejeitado tanto pelo plenário, quanto pela Mesa Diretora da Casa.

Essa foi só uma proposta, mas representa quase 5% do total de projetos de lei feitos pelo atual presidente do Brasil. De acordo com o site da Câmara, ele propôs apenas 22 projetos de lei durante seus 22 anos na Câmara.

3- Ele tem 5 filhos - mas se recusa a trocar fraldas

Em entrevista à Rolling Stone, em 2009, Temer comentou um pouco sobre sua vida pessoal "[Eu, e Marcela] temos um filho de quase 2 meses. Já tenho três filhas e quatro netos. Tenho um filho, que hoje tem uns 10, 11 anos, de uma relação que mantive durante certo período, e a quem eu prestigio. Mas estou vivendo o dia-a-dia, a mudança da rotina da casa", disse ele. Foi a deixa para o repórter perguntar: mas o senhor está trocando fraldas também? "Não chega a tanto".

4- Temer escreveu um bestseller, em que defende o impeachment de um vice-presidente

Temer escreveu um livro que foi sucesso de vendas - mas não, não era de poemas. Era sobre legislação. Elementos do Direito Constitucional foi lançado em 1982, e desde então teve mais de 20 re-edições. Sucesso absoluto.

Mas eis que o sexto capítulo da obra foca exclusivamente no poder executivo, e ali ele fala que os efeitos de um impeachment podem se estender ao vice da ocasião. "Quais as pessoas passíveis de responsabilização política? São: a) o Presidente da República (arts. 85 e 52, I) e o Vice-Presidente da República (art. 52, I); b) os Ministros de Estado e os Comandantes da Marinha, do Exército e da Aeronáutica, nos crimes conexos com aqueles praticados pelo Presidente da República (art. 52, I); c) os Ministros do Supremo Tribunal Federal, o Procurador-Geral da República e o Advogado-Geral da União (art. 52, II)", afirma Temer no livro.

5- Temer já assumiu MUITOS cargos na política

O currículo é extenso, e Temer já jogou a favor e contra praticamente todo mundo. Começou a carreira em 1982 como procurador geral do Estado de São Paulo no governo de Franco Montoro, do PSDB. Dois anos depois já era secretário de segurança do Estado, quando pregava uma ação menos truculenta por parte da PM (cargo e atitude que ele repetiu em 1992, logo após o massacre do Carandiru). Em 1986 foi para a Câmara, casa da qual virou presidente em 1995, e brigou com Fernando Henrique Cardoso - também do PSDB. Em 2004 revelou que seria vice de Erundina (PSB), hoje PSOL, para a disputada prefeitura de São Paulo. Seis anos depois virou vice de Dilma (PT). Hoje é presidente.

6- Ficha suja

Temer virou presidente, mas, caso fossem convocadas novas eleições, o resultado seria diferente. E isso não tem nada a ver com o número de votos que ele ganharia ou não -  ele simplesmente não pode concorrer. Em maio desse ano, ele foi condenado pelo Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo por ter doado mais dinheiro a campanhas do que é permitido por lei. Com isso, ele se tornou ficha suja e não pode sequer se candidatar a cargos públicos pelos próximos oito anos.

Esse não é o único processo com o nome do novo chefe do executivo brasileiro. Ele foi citado na Lava-Jato, e seu nome apareceu 21 vezes nas investigações da Operação Castelo de Areia, que investigou o grupo Camargo Correa (embora a operação tenha sido anulada pelo Superior Tribunal de Justiça). Atualmente, a chapa dele com Dilma para as eleições de 2014 também está sendo investigada pelo Tribunal Superior Eleitoral, por suspeitas de doações ilegais e uso dos Correios para a campanha. Se as denúncias forem comprovadas, a chapa pode ser cassada e, consequentemente, tirar Temer do poder.

 

Fonte: Com informações do Super Interessante