Advogada paga despesas de Clodovil enquanto aguarda indenização de R$ 1 Mi

Maria Hebe diz ter obstáculos: segundo ela, Clodovil deixou dívidas e não tinha bens valiosos

Responsável por cumprir o testamento deixado pelo deputado Clodovil Hernandes, a advogada Maria Hebe Pereira de Queiroz aguarda a liberação de uma indenização de R$ 1 milhão de uma emissora de televisão para tentar realizar o desejo manifestado pelo estilista de criar uma entidade assistencial.

Em entrevista ao G1, Maria Hebe diz ter obstáculos: segundo ela, Clodovil deixou dívidas e não tinha bens valiosos. A casa da qual o deputado detinha permissão de uso em Ubatuba, litoral de São Paulo, custa à advogada R$ 7 mil mensais em manutenção. Outro imóvel, na Granja Viana, em Cotia (Grande São Paulo), vale cerca de R$ 350 mil e tem dívida de R$ 200 mil em impostos e penhoras.

Clodovil morreu em 17 de março após sofrer um acidente vascular cerebral (AVC). Em testamento, o deputado manifestou o desejo da criação da Fundação Isabel, nome da mãe adotiva de Clodovil, entidade para cuidar de meninas carentes.

Maria Hebe afirmou que a indenização da emissora deve sair em breve. Segundo ela, o dinheiro já está depositado em juízo e há uma decisão transitada em julgada - sem possibilidade de recurso - favorável a Clodovil.

A advogada contou que o valor não havia sido liberado poque sua nomeação como inventariante (responsável pela herança) saiu somente na semana passada. A previsão é de que o dinheiro possa ser utilizado a partir das próximas semanas.

Casa de Ubatuba

Como o imóvel de Clodovil em Ubatuba está situado em área de Mata Atlântica, não pode ser comercializado - o estilista adquiriu apenas a permissão de uso do local.

O direito de uso e os objetos da casa poderão ser vendidos ou leiloados para levantar dinheiro para a fundação, apontou a advogada Maria Hebe.

Alguns objetos pessoais de Clodovil que estão em Ubatuba devem ser enviados para o acervo da entidade, que pode ser instalada no imóvel dele em Cotia.

O G1 foi a Ubatuba e visitou a casa de Clodovil. No local, ainda estão as roupas do deputado, fotos, quadros e eletroeletrônicos, por exemplo.

Responsável por cuidar da casa, Paulo Dágula, diz que tenta manter o local como quando Clodovil ainda estava vivo.

"A gente está se esforçando para manter as coisas mais ou menos como estavam, mas igual mesmo nunca mais vai ficar. Ninguém consegue fazer um arranjo de flor como ele fazia. (...) Aqui em Ubatuba espalharam boatos de que tinham entrado aqui e saqueado a casa, é tudo mentira. Está tudo aqui", disse o caseiro.

Clodovil tinha ainda cinco cachorros da raça pug. Quatro foram doados e um faleceu após a morte do deputado. "Ela estava com a saúde fragilizada. Foi cuidada pelo mesmo veterinário de quando o Clodovil estava vivo, mas não resistiu", narrou Dágula. Os três pastores alemães ainda estão em Ubatuba e ajudam a cuidar do local.

Paulo disse que atualmente apenas dois dos cerca de 12 funcionários que trabalhavam no local quando Clodovil estava vivo cuidam da casa: ele e um jardineiro.

A advogada Maria Hebe conta que manteve os dois funcionários e três seguranças para preservar o patrimônio de Clodovil.

"O gasto é elevado: luz, cloro da piscina, para evitar a dengue, ração dos cachorros. Não tem condições de continuar como está. A casa de Ubatuba é uma torneira aberta. A prioridade é encontrar uma solução para isso."

Maria Hebe disse que marcará encontro com a Prefeitura de Ubatuba para discutir uma solução para o local, se pode virar um local para visitação ou se a autorização de uso será comercializada. "O que não podemos é ficar tirando dinheiro da fundação para o imóvel."

Quando o dinheiro da indenização for liberado, Maria Hebe deve ser ressarcida dos gastos na casa de Ubatuba.

Ações na Justiça

Do R$ 1 milhão que se tem para receber como indenização, a advogada estima que metade seja consumida por penhoras, frutos de dívidas deixadas por Clodovil.

Do valor, cerca de R$ 200 mil já estão reservados para o pagamento de dívidas.

"A cada hora que vou analisar o processo tem uma penhora nova. Existem ações indenizatórias que ele perdeu por dizer sempre tudo que pensava."

O objetivo é ainda transferir uma penhora da casa de Cotia para a indenização já conquistada na Justiça. Trata-se de uma ação no valor de cerca de R$ 100 mil. "O objetivo é facilitar que a fundação seja na casa da Granja Viana. A prefeitura está bem disposta a discutir para viabilizar isso."

A advogada informou que há possibilidade de a administração local "perdoar" as dívidas com impostos para possibilitar a implantação da entidade.

Além do processo já ganho, há previsão do recebimento de mais R$ 1 milhão de outra ação. "Nessa eu espero que sobre um valor considerável para a fundação."

Apartamento funcional

Maria Hebe afirmou que a Câmara dos Deputados pressiona para que os objetos de Clodovil sejam retirados do apartamento funcional em que ele morava em Brasília.

"Estou conversando com o juiz, ele indicou para fazer uma listagem de todos os bens. E foi isso que pedi para Câmara. Não vou entrar lá e tirar os bens antes disso", afirmou.

Fonte: g1, www.g1.com.br