É ficção denúncia de que José Dirceu chefiou mensalão, diz advogado

É ficção denúncia de que José Dirceu chefiou mensalão, diz advogado

Oliveira Lima diz que mensalão não existiu e que ex-ministro será absolvido.

O advogado do ex-ministro José Dirceu, José Luís Mendes de Oliveira Lima, classifica como "ficção" a afirmação feita em 2006 pelo então procurador-geral da República, Antonio Fernando Barros e Silva de Souza, na denúncia do mensalão.

Segundo ele, Dirceu era chefe da suposta organização criminosa que teria sido criada para comprar votos favoráveis de parlamentares a projetos de interesse do governo de Luiz Inácio Lula da Silva. Os 38 réus do caso, entre os quais Dirceu, começam a ser julgados no próximo dia 2 pelo Supremo Tribunal Federal.

"Essa afirmação nada mais é do que uma uma ficção feita pelo Ministério Público, que em momento algum comprovou as suas afirmações", afirmou.

O advogado afirma que o mensalão não existiu, que o Ministério Público Federal não conseguiu provar as acusações contra seu cliente e que por isso mesmo tem "absoluta convicção" de que Dirceu será absolvido. O ex-ministro e ex-deputado responderá no julgamento às acusações de corrupção ativa e formação de quadrilha.

Coordenador-geral da campanha que elegeu o presidente Lula em 2002, Dirceu comandou a equipe de transição de governo.

Eleito no mesmo ano deputado federal, licenciou-se para assumir a chefia da Casa Civil. Após as denúncias, perdeu o cargo de ministro em junho de 2005 e teve o mandato parlamentar cassado pela Câmara dos Deputados seis meses depois. Também ficou inelegível por oito anos.

Leia abaixo a entrevista com o advogado de Dirceu, José Luís Mendes de Oliveira Lima.

G1 - O mensalão existiu?

José Luís Mendes de Oliveira Lima - Não é verdade a afirmação feita pelo Ministério Público da suposta existência do mensalão. Não há nos autos nenhuma prova, nenhum documento, nenhum depoimento neste sentido. O que há nos autos é exatamente o contrário. Todas as testemunhas que foram ouvidas durante a ação penal 470 desmentem categoricamente a afirmação feita pelo ex-deputado Roberto Jefferson que foi cassado porque mentiu.

G1 - Qual a expectativa do sr. para o julgamento?

Oliveira Lima - A expectativa é de absolvição do ex-ministro José Dirceu, uma vez que não há nenhuma prova contra ele.

G1 - Que legado esse julgamento deixará?

Oliveira Lima - Por mais que uma parcela da opinião pública queira dar um sensacionalismo inadequado, um julgamento que foi feito dentro dos trâmites legais, dentro do processo legal, garantindo a atuação da acusação e da defesa.

G1 - O procurador diz na denúncia que o ex-ministro José Dirceu era um chefe de quadrilha. Qual a avaliação que o senhor faz?

Oliveira Lima - Essa afirmação nada mais é do que uma ficção feita pelo Ministério Público que em momento algum comprovou as suas afirmações.

G1 - O que mudou na vida do ex-ministro José Dirceu e qual a participação dele em eventos políticos?

Oliveira Lima - O ex-ministro leva uma vida normal, exercendo seus atos de cidadania e fazendo política como sempre fez sua vida toda.

G1 - Dentro do PT ele continua com a mesma atuação?

Oliveira Lima - Isso não tenho como esclarecer.

G1 - Há uma preparação especial para esse julgamento?

Oliveira Lima - Há uma leitura das principais peças novamente.

G1 - O sr. considera que houve chance de defesa para o cliente do senhor?

Oliveira Lima - Não tive em momento algum minha atuação cerceada nesta ação penal 470.

Fonte: G1