Aécio Neves chama de "covarde" destituição de diretor da Petrobras

Responsável por parecer de compra suspeita de refinaria foi exonerado. Para provável presidenciável tucano, responsabilidade foi terceirizada.

O senador Aécio Neves (PSDB-MG) classificou como "covarde" a decisão do Conselho de Administração da Petrobras Distribuidora de exonerar o diretor financeiro Nestor Cerveró, apontado como o responsável pelo parecer "falho" que levou a presidente Dilma Rousseff a votar a favor da compra da refinaria de Pasadena (EUA).

Na ocasião da compra, em 2006, Dilma era presidente do Conselho de Administração da Petrobras. A transação motivou investigações da Polícia Federal, do Ministério Público e do Tribunal de Contas da União devido a suspeitas de superfaturamento. Entre 2006 e 2012, a estatal desembolsou US$ 1,18 bilhão pela refinaria, que em 2005 tinha custado US$ 42 milhões à empresa belga Astra Oil.

Provável candidato a presidente da República na eleição deste ano, Aécio defendeu neste sábado, em Campos do Jordão (SP), que a presidente dê explicações públicas sobre o episódio. Ele criticou o que chamou de "terceirizar" a responsabilidade da operação de compra da refinaria para um único diretor da Petrobras.

"Considero a simples decisão de afastamento do diretor financeiro da Petrobras, uma decisão covarde do governo. Sem qualquer outra explicação, sequer sabemos se foi uma decisão da presidente da República este afastamento [...]. O que queremos são explicações. Quem sabe não é o momento de a presidente da República, tão afeita a convocação de cadeia de rádio e televisão, venha a público dizer inclusive que errou", declarou o senador.

Neste sábado, em Salvador, outro possível candidato a presidente, o governador de Pernambuco, Eduardo Campos, também criticou o episódio da refinaria e disse desconfiar de um "jogo" para que a Petrobras seja vendida.

Aécio afirmou que o caso representa uma privatização da Petrobras. "O PT nos acusou durante décadas de querer privatizar a Petrobras. Quem privatizou a Petrobras foi o PT, levando a empresa a ter um prejuízo de R$ 200 bilhões. O que queremos, nós do PSDB, e falo eu como presidente do partido, é reestatizar a Petrobras, tirá-la das mãos de um agrupamento político que dela se apoderou, tirá-la das mãos de um partido político, para entregá-la de novo ao interesse do país", afirmou.

Fonte: G1