Aécio Neves reafirma que disputará vaga no Senado

Governador de Minas Gerais apontou a necessidade de uma "nova postura" no Congresso Nacional

Ao reafirmar que será candidato a senador, o governador de Minas Gerais, Aécio Neves (PSDB), disse neste sábado, 13, que o Congresso Nacional precisa de uma "nova postura" e se aproximar do "sentimento da sociedade brasileira". Questionado, Aécio afirmou também que é muito cedo para falar em pretensão de presidir o Senado.

"Fui parlamentar durante grande parte da minha trajetória. E acho que o Congresso Nacional precisa de uma nova postura. O Congresso Nacional precisa, de alguma forma, aproximar-se mais do sentimento da sociedade brasileira. E eu quero estar lá, se merecer a confiança dos mineiros, para dar a minha contribuição a um novo momento do Congresso Nacional", disse o governador durante visita a Varginha, no sul do Estado.

Aécio recebeu no município o título de cidadão honorário, em mais um capítulo do périplo que faz acompanhado do vice e pré-candidato tucano à sua sucessão, Antônio Anastasia. O governador disse que a presidência do Senado "é uma questão que precisa ser analisada lá adiante". "É muito cedo para falar sobre isso".

Na estratégia para consolidar o governador como uma liderança nacional, aecistas trabalham com essa expectativa, mas sabem que ela depende de diversas circunstâncias. De qualquer forma, Aécio procurará representar a "renovação" da casa parlamentar, acossada por denúncias no ano passado.

"Destino"

Neste sábado, 13, ele voltou a afirmar que não cogita compor como vice uma chapa puro-sangue encabeçada pelo governador de São Paulo, José Serra. Mais uma vez, prometeu empenho numa campanha do colega paulista, virtual presidenciável do PSDB. "Estarei ao lado do companheiro José Serra no limite das minhas forças, mas considero que, neste momento, a minha presença em Minas Gerais é mais importante".

O mineiro ressaltou que se apresentou ao partido como uma alternativa para a eleição presidencial, agregando eventualmente o apoio de partidos que atualmente fazem pare da base aliada ao governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. "O partido opta por caminhar com um grande nome, que é o companheiro José Serra, homem público extremamente experimentado", observou. "Vamos caminhar ao seu lado".

Aécio também repetiu que não existe a hipótese de ele assumir o posto de presidenciável caso Serra venha a desistir. "E é até importante que nós paremos com essas especulações". Dizendo-se um "homem de partido", o governador, contudo, observou que está "muito sereno" e lembrou a frase do avô Tancredo Neves: "Presidência é muito mais destino do que qualquer outra coisa. Vamos aguardar".

Fonte: Estadão, www.estadao.com.br