Alckmin suspende aumentos de bônus a servidores em São Paulo

O governador também anunciou um corte de 1.200 cargos comissionados, o que equivale a 15% do total da gestão.

Alckmin suspende aumentos de bônus a servidores em São Paulo

 
 Ouvir texto
 
 
0:00
 Imprimir Comunicar erro
  • Diogo Moreira/A2 Fotografia

    Governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB)

    Governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB)

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), suspendeu o aumento de prêmios, bônus e participação em lucros e resultados a todos os servidores públicos estaduais para o ano de 2015.

A decisão, que foi tomada por meio de um decreto publicado na edição do dia 26 de fevereiro do "Diário Oficial", não abrange bonificações estabelecidas em lei, como as de professores e policiais e atinge principalmente Procuradores do Estado e agentes fiscais da renda.

"No exercício de 2015, fica suspensa a possibilidade de ajuste porcentual, valor, índice, ou quantidade que altere o valor de vantagens pecuniárias de qualquer natureza e resulte em aumento de despesas com pessoal e encargos sociais exceto aquelas decorrentes de vantagens por tempo de serviço ou evolução funcional", diz o texto do fim do mês passado.

No decreto, o governo justifica que "despesas com pessoal e encargos sociais tem peso significativo no orçamento do Estado" e fala em "deterioração do cenário econômico nacional".

A decisão veio na esteira do maior contingenciamento do governo desde 2007.

Para tentar desgastar politicamente o governador tucano, a bancada do PT na Assembleia Legislativa soltou uma nota oficial afirmando que Alckmin vai deixar servidores sem reajuste salarial em 2015. "Os servidores nem sequer terão direito à reposição da inflação do período, entre 6% e 7%", diz o texto da oposição. Mais tarde, assessores da legenda reconheceram o erro.

O professor de Direito Administrativo da Universidade de São Paulo (USP), Guilherme Justino de Oliveira, explica que a Constituição obriga que o governador cumpra com a lei de revisão geral anual dos salários.

"A revisão é um direito constitucional. Faz recomposição dos vencimentos, em virtude das perdas pela inflação e outros eventos que impliquem em achatamento dos vencimentos", afirmou o especialista. Questionado pela reportagem, a assessoria de Planejamento e Gestão do governo afirmou que as negociações de reajuste com as categorias ocorrerão "normalmente" como em todos os anos.

Ofensiva

A ideia do partido, porém, é articular uma ofensiva dos movimentos sociais organizados, especialmente dos sindicatos ligados à legenda, como a Apeoesp (Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo), entidade filiada à CUT. Reservadamente, líderes do PT falam em "fazer uma guerrilha" contra os tucanos e também em travar a pauta na Assembleia Legislativa de São Paulo.

O PT convidou funcionários ligados a duas fundações que o governador pretende extinguir para conter gastos -- Cepam (Fundação Prefeito Faria Lima) e Fundação do Desenvolvimento Administrativo --para acompanharem nesta terça-feira (3), as sessões nas galerias da Assembleia Legislativa. Segundo os deputados estaduais petistas, a estratégia é obstruir as votações.

Folha enxuta

Alckmin propôs a extinção das duas fundações em outro decreto publicado na semana passada. No mesmo texto, o governador também anunciou um corte de 1.200 cargos comissionados, o que equivale a 15% do total da gestão.

As iniciativas fazem parte de pacote de ajuste fiscal. Todas as pastas terão que cortar 10% de seus gastos de custeio. Educação, Saúde, Segurança e Administração Penitenciária cortarão 5% dos gastos. Um dia depois do anúncio, Alckmin afirmou que o corte de custeio foi definido por "cautela" diante do atual cenário.

Fonte: Estadão