Alepi aprova por unanimidade repúdio contra Jair Bolsonaro

A moção foi aprovada por unanimidade na Assembleia Legislativa

A Assembleia Legislativa do Piauí aprovou por unanimidade, nesta terça-feira, 24, a Moção de Repúdio ao deputado federal Jair Bolsonaro, através de requerimento da deputada estadual Flora Izabel (PT).  Bolsonaro homenageou, durante a votação do impeachment, Carlos Alberto Ustra, que foi reconhecido como o militar que torturou a presidente Dilma na época da ditadura militar no Brasil nos anos 70.  

Flora Izabel disse que apresentou a Moção de Repúdio pelo fato do deputado Jair Bolsonaro tem feito apologia ao crime de tortura por homenagear Carlos Alberto Brilhante Ustra, processado pela Comissão Nacional da Verdade que apura crimes de tortura no Brasil.

“Jair Bolsonaro resgatou o que há de mais podre na história brasileira, que foi a tortura e as violações aos direitos humanos, e valorizou o terrorismo de estado praticado pela ditadura militar. A maior gravidade é que Jair Bolsonaro fez apologia clara ao crime de tortura, o que gerou muita preocupação e estarreceu o mundo”, falou a deputada Flora Izabel.

Segundo a deputada, Comissão Nacional da Verdade foi criada pela Lei 12.528/2011 e instituída em 16 de maio de 2012, e teve por finalidade apurar graves violações de Direitos Humanos ocorridas entre 18 de setembro de 1946 e 5 de outubro de 1988.

“A atitude de Bolsonaro, que inclusive foi compartilhada em redes sociais por ele próprio, se configura como um momento triste da história recente do Brasil, ferindo os direitos humanos e os princípios democráticos”, acrescentou Flora Izabel.

O torturador homenageado por Bolsonaro entrou para a história do Brasil como o militar que estuprou e matou mulheres que faziam oposição ao governo militar. As práticas abomináveis de Ustra consistiam em colocar jacarés sobre o corpo nu das mulheres que torturava. E mais, ele é acusado de inserir ratos na vagina de mulheres que eram presas por seu agrupamento por fazerem oposição ao regime ditatorial.

“O coronel Ustra morreu em 2015 sem ser punido por seus crimes, inclusive de tortura contra a presidente Dilma Rousseff, o que foi enfatizado por Jair Bolsonaro na sua fala durante a votação na sessão do dia 17 de abril de 2016 e que foi transmitido ao vivo por rede nacional de televisão”, falou Flora. 

Deputada Flora Izabel
Deputada Flora Izabel


Fonte: Portal MN