Após 14 horas, comissão do impeachment adia próxima sessão

O calendário prevê para agosto a conclusão do processo.

O presidente da Comissão do Impeachment no Senado, Raimundo Lira (PMDB-PB), cancelou a sessão que aconteceria nesta quinta-feira (09). Ela foi adiada para a tarde de segunda-feira, quando os senadores continuarão a ouvir testemunhas de acusação, indicadas pelos próprios parlamentares. A sessão que abriu as oitivas, e varou a madrugada, durou quase quinze horas - começou por volta das 11h45m de quarta-feira e terminou às 2h10m desta quinta.

A oposição, contrária ao impeachment, tentou por várias vezes suspender a sessão e continuá-la na próxima semana, mas Lira foi implacável e negou todos os pedidos.

O calendário aprovado no início da semana prevê para agosto a conclusão do processo, que pode aprovar o afastamento definitivo de Dilma Rousseff do cargo. Aliados do presidente interino Michel Temer já tentavam encurtar o cronograma, mas recuaram diante de protestos do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL). A oposição, por outro lado, aposta em postergar o processo na tentativa de enfraquecer o governo interino.

Foram ouvidos, durante a sessão, quatro testemunhas de acusação: Júlio Marcelo de Oliveira, procurador do Tribunal de Contas da União (TCU); Antonio Carlos Costa d’Ávila Carvalho, auditor do TCU; Adriano Pereira de Paula, coordenador-geral de operações de crédito do Tesouro Nacional, e Otávio Ladeira de Medeiros, secretário adjunto do Tesouro desde dezembro de 2015.

O auditor do TCU Antonio Carlos Costa D’Ávila (Crédito: Reprodução)
O auditor do TCU Antonio Carlos Costa D’Ávila (Crédito: Reprodução)
O auditor do TCU Advogada Janaína Paschoal com o advogado de Dilma, José Eduardo Cardozo  Carlos Costa D’Ávila (Crédito: Reprodução)
Advogada Janaína Paschoal com o advogado de Dilma, José Eduardo Cardozo (Crédito: Reprodução)
Fonte: O Globo