Presidente Dilma viaja à Alemanha para discutir crise econômica

Nesta sexta-feira (2), Merkel chegou a dizer que entende as críticas feitas por Dilma


Após criticar

Dois dias depois de criticar o "tsunami monetário" provocado pelos países ricos, a presidente viajará neste sábado (3) a Hannover, onde encontra-se com a chanceler da Alemanha, Angela Merkel. A crise econômica internacional será o principal assunto do encontro.

De acordo com o assessor especial para assuntos internacionais da Presidência da República, Marco Aurélio Garcia, a presidente deverá conduzir a conversa com a chanceler alemã "no mesmo tom" em que vem se manifestando em relação à crise.

Nesta quinta-feira (1º), Dilma criticou a política monetária dos países ricos, que segundo ela, provoca um "tsunami" de dólares nos países emergentes, o que valoriza a moeda local e prejudica setores da indústria que exporta.

De acordo com Garcia, o Brasil quer saber o que será feito do grande empréstimo concedido esta semana a bancos europeus, ser servirá para investimento interno ou especulação externa. "Nós queremos saber qual é o destino desse dinheiro. Ele vai ser utilizado para o desenvolvimento da União Europeia ou vão ser entregues aos bancos?", questionou.

Nesta sexta-feira (2), Merkel chegou a dizer que entende as críticas feitas por Dilma. "De certa maneira, eu entendo as dúvidas dela. É por isso que vou tentar dizer a ela que planejamos perseguir reformas desta vez, que nós certamente não vamos adotar medidas semelhantes de novo", declarou.

Apesar de a crise internacional ser a principal pauta da viagem, o mote do convite é a Cebit - Feira Internacional de Tecnologia da Informação, Telecomunicações, Software e Serviços, a qual a Dilma visitará nesta terça-feira (6).

A Alemanha é parceira do Brasil no programa Ciência sem Fronteiras, que concede bolsas para brasileiros cursarem graduação ou pós-graduação no exterior. Durante a visita a Merkel, Dilma deverá reiterar a intenção do governo brasileiro em enviar estudantes, mas vai também insistir para que cientistas e técnicos alemães atuem no Brasil, informou Marco Aurélio Garcia.

A reforma do FMI (Fundo Monetário Internacional) e outras questões de política externa também deverão ser debatidas, como a crise na Síria, a Palestina e o Irã. "A presidenta vai reafirmar aquilo que é próprio da política externa brasileira que é a busca de soluções negociadas, diplomáticas, mesmo quando essas soluções parecem muito difíceis", disse Garcia.

Programação

A presidente deixará Brasília neste sábado às 23h30 e deverá chegar a Hannover às 16h (horário local) deste domingo (4). Ela passará um dia inteiro sem agenda oficial na cidade alemã, já que seu primeiro compromisso oficial será apenas na segunda-feira (5) à tarde, quando tira a foto oficial no Centro de Convenções de Hannover.

Acompanham Dilma os ministros Antonio Patriota (Relações Exteriores), Fernando Pimentl (Desenvolvimento), Marco Antonio Raupp (Ciência e Tecnologia), Paulo Bernardo (Comunicações), Helena Chagas (Comunicação Social), além dos governadores da Bahia e do Rio Grande do Sul, Jaques Wagner e Tarso Genro respectivamente.

Às 17h50 de segunda-feira, a presidente participa da cerimônia de abertura da Cebit, momento em que estão previstos discursos de Dilma e da chanceler alemã, Angela Merkel, além de outros chefes de governo.

Às 20h, Merkel oferece um jantar a Dilma e sua comitiva na Casa de Visitas do Governo, seguido de um encontro privado entre as duas.

Na terça-feira (6), logo cedo, às 9h, Dilma planeja visitar a feira por cerca de duas horas, começando pelo pavilhão do Brasil. Após pronunciamento à imprensa, previsto para as 11h30, a presidente participa de um almoço de trabalho com a Confederação da Indústria da Alemanha e empresários brasileiros e alemães.

Dilma deverá deixar Hannover às 13h30 de terça-feira e desembarcar na capital brasileira por volta de 00h.

Fonte: G1