Após Maracanã, Delta deixa outro consórcio no Rio de Janeiro

Empresa é investigada por suposto vínculo com bicheiro Carlinhos Cachoeira.

A construtora Delta está deixando o consórcio Transcarioca BRT, segundo informou na tarde desta quinta-feira (26) a Prefeitura do Rio de Janeiro. O consórcio é responsável pela obra do corredor expresso Transcarioca, futura ligação entre a Barra da Tijuca e o Aeroporto Internacional Antônio Carlos Jobim, o Galeão, na Ilha do Governador. Na semana passada, a empresa já havia deixado o consórcio responsável pela reforma do Maracanã.

A Delta é a sexta maior empreiteira do Brasil e está envolvida em denúncias de favorecimento ao bicheiro Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, preso pela Polícia Federal na Operação Monte Carlo. Cachoeira é é apontado como o chefe de uma quadrilha de jogo ilegal em Goiás e responsável pela montagem de uma rede de corrupção que envolveria governantes, parlamentares e empresários.

Em nota, a Prefeitura do Rio afirma que "foi comunicada hoje [quinta, 26] pelo consórcio Transcarioca BRT, formado pelas empresas Andrade Gutierrez e Delta, de que a Delta está deixando o consórcio - que é responsável pela construção do trecho do BRT Transcarioca entre a Barra da Tijuca e a Penha. Conforme estabelecido em contrato, a empresa Andrade Gutierrez assume todas as responsabilidades pela obras sem causar qualquer prejuízo ao município. O andamento das obras segue normalmente e o cronograma está mantido."

A Delta tem quatro grandes contratos com a Prefeitura do Rio, incluindo estradas, viadutos, melhorias em favela, corredor de ônibus, conforme mostrou o RJTV. O valor é de R$ 1.027.640.154. A construtora trabalha na urbanização da comunidade Chico Mendes, na Pavuna, no subúrbio do Rio, na criação do Parque Madureira e em um conjunto de obras na Zona Oeste. Só com a Transcarioca, o contrato era de quase R$ 798,4 milhões.

Na tarde desta quarta (25), o prefeito do Rio, Eduardo Paes, afirmou que não tinha informações de que a Delta deixaria a Transcarioca. "Não há nenhuma informação oficial [sobre a saída]", afirmou Paes. Na ocasião, o prefeito disse ainda que caso a Delta saísse do consórcio que toca a obra, a Andrade Gutierrez assumiria a construção, conforme prevê contrato da prefeitura com as empreiteiras. Ele disse ainda que não há nenhum tipo de sindicância aberta para apurar contratos com a Delta no Rio.

O G1 entrou em contato com a Delta, que ficou de se posicionar sobre a saída da obra. Ao deixar o consórcio do Maracanã - contrato firmado com o estado -, a Delta alegou falta de condições financeiras para continuar integrando o consórcio responsável pela obra do Maracanã, orçada em R$ 859 milhões. O consórcio responsável pelas obras no estádio era formado por três empresas: a Odebrecht Infraestrutura tem 49% de participação; a Andrade Gutierrez, 21%, e a Delta Construtora, 30%.

Fonte: G1