Após votar, Lula diz que Serra sai menor das eleições e classificou como agressiva campanha da oposição

Após votar, Lula diz que Serra sai menor das eleições e classificou como agressiva campanha da oposição

O presidente classificou como agressiva a campanha da candidatura de oposição.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou neste domingo (31), após votar em São Bernardo do Campo, no ABC paulista, que o candidato à presidência da República do PSDB, José Serra, sairá dessa campanha menor do que entrou.

Cabo eleitoral ativo da candidata petista Dilma Rousseff, o presidente fez a afirmação ao responder uma pergunta que dizia que a campanha foi nivelada por baixo de parte a parte.

"Não me fale de parte a parte. Essa campanha foi muito mais violenta de uma parte para a outra. Eu sinceramente acho que o candidato Serra sai menor dessa campanha", disse Lula.

O presidente classificou como agressiva a campanha da candidatura de oposição. Para ele, tal postura não ocorreu quando ele próprio perdeu três das cinco eleições à presidência as quais concorreu.

"Sai menor porque a agressividade deles com a companheira Dilma Rousseff é uma coisa que eu imaginava que tivesse terminado na política brasileira. Eu fui candidato cinco vezes. Das cinco vezes, eu perdi três, e vocês nunca me viram com a agressividade que teve nessa campanha", opinou Lula, derrotado por Fernando Henrique Cardoso em 1994 e 1998 e Collor em 1989.

Criticando a postura do rival, Lula também afirmou que a campanha de Serra demonstra o preconceito que existe na política brasileira.

"A gente tende a aproveitar a campanha para elevar o nível de consciência da sociedade brasileira. Este é um país que a gente entra na casa das pessoas pela televisão. É para elevar o nível de consciência. Não para ficar esculhambando as pessoas, acusando, criando uma consciência preconceituosa contra as pessoas. É importante vocês saberem que a gente mora em um país em que a Constituição diz que todos são iguais perante a Lei, mas tem uns mais iguais do que outros. E as mulheres ainda não são respeitadas na sua totalidade. Tem preconceito na política. Isso foi demonstrado agora", explicou.

Fonte: Terra