Deputado apresenta projeto de lei que exige fisioterapeuta em CTI`s

O projeto dispõe sobre a permanência de fisioterapeutas em CTIs

Image title

O presidente da Assembleia Legislativa do Estado do Piauí (Alepi) Themístocles Filho (PMDB) apresentou Indicativo de Projeto de Lei, que dispõe sobre a permanência do profissional de Fisioterapeuta nos Centros de Terapia Intensiva (CTIs) adulto e pediátrico no âmbito do Estado do Piauí. O deputado ressaltou sobre a importância do profissional de Fisioterapia, pelo fato de que a saúde é um bem jurídico indissociável do direito da vida, devendo o Estado integrá-la às políticas públicas.  

O parlamentar disse ainda que além das atividades desempenhadas pelo profissional fisioterapeuta, nos CTIs, há fundamentalmente o trabalho interdisciplinar, na busca por soluções, incluindo a instituição de protocolos para a prevenção de complicações clínicas como pneumonia associada à VM, lesos, traumáticas das vias aéreas, lesões cutâneas, extubação ou decanulação acidental, além da participação a admissão do paciente e durante a ocorrência de parada respiratória. 

“Em virtude das considerações, notadamente ante a complexidade dos procedimentos adotados pelos profissionais fisioterapeutas, que atuam nos CTIs, o elevado número de intercorrências clínicas e admissões que incidem durante o período de 24 (vinte e quatro horas) a comprovada melhora dos indicadores hospitalares e financeiros, bem como ante as exigências legais, surge a necessidade de regulamentação da presença do fisioterapeuta em tempo integral (24 horas) nos CTIs de todo o Estado do Piauí, sejam eles, público ou privados”, ressaltou o deputado Themístocles Filho.  
 

O presidente do Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional, Marcelino Martins, fala sobre a importância da aprovação, pela Assembleia Legislativo do Estado do Piauí, do Indicativo de Projeto de Lei, denominado pelos fisioterapeutas de “Projeto de Lei da Vida”, que segundo ele, irá beneficiar pacientes em estado grave.

“Pacientes estão tendo seus quadros agravados e grande parte deles está se tornando irreversível e outros vinco a óbito”, afirma Marcelino Martins, acrescentando que alguns hospitais particulares não têm em seu quadro de CTIs, profissionais de Fisioterapia.

Nas UTIs neonatal, a presença do profissional já é de 24 horas, e que apenas no Hospital Maternidade Wall Ferraz, localizado no bairro Dirceu Arcoverde II, na zona Sudeste de Teresina, cumpre a obrigatoriedade de profissionais de Fisioterapia, em regime de 24 horas.

Em se tratando de CTIs adulto, Marcelino Martins diz que os Hospitais Getúlio Vargas, Universitário, Natan Portela e Hospital de Urgência de Teresina, estão cumprindo a exigência de profissionais 24 horas, e ressaltou que na Maternidade Dona Evangelina Rosa (MDER) faltam 18 profissionais de Fisioterapia, para que seja cumprida a tabela de 24 horas.

“No Brasil, os gestores entendem que tem que ser 24 horas em CTIs. A importância do projeto é fazer com que a lei seja cumprida em sua totalidade. Estamos perdendo vidas, crianças, jovens, adultos, idosos, por falta desses profissionais, que trabalham na recuperação de pacientes intubados, com problemas respiratórios, cardiovasculares, entre outros problemas. O terapeuta disse ainda que no Piauí existem cerca de três mil profissionais de Fisioterapia, com duzentos deles trabalhando em CTIs, e segundo ele, ainda com um défict de 120 profissionais para completar o quadro obrigatório de profissionais nessas unidades de saúde do Estado. (L.M.)

O fisioterapeuta e Intensivista, Saulo Araújo, trabalha desde 2005 na Unidade de Terapia Intensiva do Hospital Getúlio Vargas (HGV). Segundo ele, a presença do profissional nas CTIs é suma importância, devido a debilidade funcional dos pacientes.

Saulo Araújo conta que um dos aspectos mais importantes é trabalhar a mobilidade funcional de pacientes acamados, que perdem a função motora. “ Trabalhamos a restauração das funções de órgãos  e sistemas, como por exemplo, de problemas respiratórios, cardiovasculares, nervoso, músculo esquelético, entre outros problemas apresentados”, observa.

Fonte: Alepi