Ativista de 17 anos denuncia deputado por assédio em conversa

O deputado afirmou que não foi ele quem respondeu as mensagens.

Uma adolescente de 17 anos que preferiu não ser identificada e ativista do Movimento Brasil Livre de Florianópolis denunciou um deputado federal pelo crime de assédio. De acordo com ela, tudo começou quando ela foi procurar o político e pressioná-lo a se posicionar sobre o impeachment da presidente Dilma Rousseff.

“Está com um tempo que o pessoal do ‘Vem pra rua’ publicou uma lista com os contatos dos deputados que não tinham opinado ainda sobre o assunto, então começamos uma operação para pressioná-los nas redes sociais ou até mesmo nas suas casas”, contou ela que denominou a operação como ‘Operação Minerva’.

A jovem afirmou que enviou uma mensagem via aplicativo WhatsApp para o deputado João Carlos Bacelar, do PR, da Bahia. “O senhor deveria ter o mínimo de respeito para com os brasileiros, independente da regionalidade eu mereço uma resposta. O senhor será a favor do impeachment?”, perguntou ela. A resposta, foi uma surpresa: “Você é muito bonita e muito insistente. Venha no meu gabinete e lhe falo pessoalmente”, escreveu.

“Vários que nós entramos em contato responderam de forma tranquila, outros bloquearam, outros nem responderam. Só ele respondeu dessa maneira absurda. Ele inclusive me ligou no meio da conversa”, disse a adolescente.

Em resposta, a assessoria de imprensa do deputado afirmou que quem enviou as mensagens foi um assessor do político que foi suspenso e poderá ser exonerado. No momento da conversa, o aparelho estava no gabinete e o deputado não estava presente.

Conversa da ativista com o deputado (Crédito: Reprodução)
Conversa da ativista com o deputado (Crédito: Reprodução)
Conversa da ativista com o deputado (Crédito: Reprodução)
Conversa da ativista com o deputado (Crédito: Reprodução)
Fonte: Com informações do G1