Aumento da presença feminina nas eleições alcança centro do debate político no Brasil

Aumento da presença feminina nas eleições alcança centro do debate político no Brasil

Candidatas competitivas e predomínio do voto feminino marcam pleito

Quase 80 anos após as brasileiras conquistarem o direito ao voto, a mulher está no centro do debate político da eleição presidencial deste ano.

Pela primeira vez, duas mulheres - a ex-ministra Dilma Rousseff (PT) e a senadora Marina Silva (PV) - estão entre os três principais candidatos. Pela última pesquisa do Ibope, ambas somam 46% das intenções totais de voto.

Mas até agora o preferido das eleitoras é José Serra (PSDB). O ex-governador alcança, segundo o Ibope, 38% dos votos entre as mulheres, contra 33% de Dilma e 10% de Marina.

Maioria do eleitorado brasileiro desde as eleições de 2000, as mulheres representam hoje 51,8% dos votantes no país. São 69,4 milhões de votos femininos e 64,4 milhões de eleitores homens (48% do total).

A vantagem atual de Serra entre as mulheres alimenta o debate sobre questões de gênero na eleição e movimenta as campanhas, que reforçam a busca ao voto feminino.

Exemplo dessa aposta ocorreu na convenção do PT que oficializou a candidatura de Dilma à Presidência. A mulher foi o tema do encontro de 13 de junho, que exibiu vídeo com brasileiras que marcaram época, como a compositora Chiquinha Gonzaga (1847-1935).

"O Brasil do Lula será governado com a alma e o coração de uma mulher", disse Dilma na ocasião. Como parte da estratégia, a candidata cita a filha e o futuro neto em entrevistas e já até cozinhou omelete na TV.

Para o cientista político Antonio Lavareda, filiado ao PSDB e especialista em campanhas eleitorais, a ênfase na mulher é uma ?escolha inteligente do PT?.

?É uma forma de mobilizar a emoção para a campanha da Dilma, que é uma candidata sem muito carisma?, afirma.

Hipóteses para baixo rendimento

Lavareda enumera duas possíveis razões para o ?gap? [disparidade] de gênero na performance de Dilma.

Uma delas é o suposto desconhecimento de Dilma - e de sua condição de candidata de Lula - entre as eleitoras mais pobres. Na última pesquisa Datafolha, 71% dos entrevistados citaram a ex-ministra como o nome apoiado pelo presidente.

Outra possível razão é a "herança" de Lula. Considerando as pesquisas mais próximas da votação, o presidente sempre teve menos votos entre as mulheres nas cinco eleições majoritárias que disputou.

O consultor em marketing político Chico Santa Rita aposta na primeira hipótese como motivo das dificuldades de Dilma e minimiza o peso do gênero na votação. Diz que a votação de homens e mulheres nos candidatos tende a se equilibrar no decorrer da campanha.

?A questão de gênero não existe na eleição?, afirma.

Em busca do voto feminino

O presidente do PT, José Eduardo Dutra, também diz acreditar na tendência de equilíbrio dos votos ate a reta final da campanha. Reconhece, contudo, que as eleitoras demandam ?mais cuidado? para serem conquistadas.

?A mulher demora mais a se definir, é mais desconfiada, quer mais informação. Pesquisas mostram que há mais indecisas do que indecisos?, afirma Dutra, para quem esse dado explica a diferença atual entre Dilma e Serra no eleitorado feminino.

?Quando se faz pesquisa perto da eleição há uma aproximação muito grande dos votos de homens e mulheres para o mesmo candidato. Não acho que tenha essa definição de voto diferente, de mulheres e de homens", diz.

De olho nos votos das mulheres, o PV prepara nova rodada de pesquisas qualitativas para definir estratégias para aproximar Marina Silva das eleitoras.

O coordenador da campanha verde, João Paulo Capobianco, diz que há uma identificação de Marina - que teve infância pobre no Acre e foi analfabeta até os 16 anos - com mulheres pobres e excluídas.

?Há uma identidade muito forte entre esses grupos de mulheres pobres que têm uma preocupação grande com o futuro e que querem buscar caminhos diferentes?, afirma.

Capobianco diz que a pressão pela ampliação do espaço das mulheres na política e a grande população mestiça no país abrem uma ?janela de oportunidade? para a candidatura. Na convenção do PV, Marina reuniu os dois componentes para afirmar que quer ser a primeira presidente negra do país.

PSDB aposta em atuação de Serra na Saúde

Vice-presidente do PSDB e responsável pela coordenação da agenda de Serra, a senadora Marisa Serrano (MS) relaciona a dianteira do tucano entre o eleitorado feminino com a atuação do ex-governador como ministro da Saúde no governo Fernando Henrique Cardoso, cargo que ocupou de 1998 a 2002.

?As mulheres são muito tocadas por essa questão [saúde]. Geralmente, elas veem isso como uma questão prioritária?, diz.

Na quinta-feira (17), o programa partidário do PSDB destacou o currículo de Serra, sobretudo seu período na Saúde.

O tucano foi citado como o homem que enfrentou laboratórios para implantar os genéricos, como idealizador da campanha de vacinação de idosos contra a gripe e de mutirões de detecção de doenças.

Ex-vereadora, deputada e vice-prefeita, a senadora diz nunca ter usado o apelo de gênero em campanhas e critica o discurso de Dilma. ?Eleição não é questão de gênero, como não é questão de etnia, de raça, de credo religioso. A escolha deve ser feita em cima da competência, do comprometimento e da seriedade.?

Agendas diferentes

Embora divirjam sobre a existência ou não de um "voto feminino", analistas consultados pelo G1 destacam que homens e mulheres tendem a priorizar assuntos diferentes ao votar.

"A mulher decide a partir de temas relacionados à experiência cotidiana, como saúde e educação", afirma o cientista político David Fleischer, da Universidade de Brasília.

Já os homens, afirmam Fleischer e o cientista político Antonio Lavareda, são mais afeitos a assuntos de economia e política.

"A experiência no abastecimento de bens e serviços da casa e as relações interpessoais, mais frequentes nesse gênero [feminino], suprem muito da informação que os homens só conseguem nos noticiários", afirma Lavareda.

Fonte: g1, www.g1.com.br