Barack Hussein Obama toma posse como 44º presidente dos Estados Unidos

É a primeira vez que um negro assume o cargo mais importante do Executivo norte-americano

O 44º presidente dos Estados Unidos, Barack Hussein Obama, de 47 anos, tomou posse no início da tarde desta terça-feira (20), em Washington DC, em meio a uma multidão de pessoas que viajaram à capital do país para acompanhar este momento histórico. É a primeira vez que um negro assume o cargo mais importante do Executivo norte-americano. Ele vai passar a governar sob expectativa e cobrança globais.

Antes mesmo de prestar juramento, ao meio-dia (15h em Brasília) Obama se tornou presidente oficialmente, seguindo o que diz a Constituição do país. Ele prestou juramento às 12h06 locais (15h06 de Brasília) com a mão sobre a mesma Bíblia usada em 1861 por Abraham Lincoln.

Ele repetiu um breve texto previsto na Constituição. "Eu, Barack Hussein Obama, juro solenemente cumprir fielmente as funções de presidente dos Estados Unidos e, na medida de minhas possibilidades, salvaguardar, proteger e defender a Constituição Estados Unidos".

Obama até titubeou durante a leitura do texto e sorriu.

Apesar da polêmica, em que ateus pediram que não houvesse menções religiosas no juramento, ele incluiu o "so help me God? (com a ajuda de Deus, em tradução livre), que encerra o juramento desde o século XVIII.

O juramento foi feito diante do presidente da Corte Suprema dos EUA, John Roberts.

Momentos antes tinha sido a vez de o vice-presidente Joseph Biden fazer seu juramento, perante o juiz do Tribunal Supremo John Paul Stevens.

Na tribuna presidencial do Capitólio estavam os ex-presidentes dos EUA vivos: George W. Bush, Bill Clinton, George H. W. Bush - pai do ex-líder - e Jimmy Carter. Todos eles estiveram acompanhados por suas esposas.

Discurso

Obama abriu seu discurso inaugural como presidente se dizendo gratificado e humilde pela confiança dos cidadãos do país. Ele agradeceu o serviço de Bush como seu antecessor e pela cooperação no processo de transição.

Ele lembrou as crises que o país vive, mencionou que os EUA estão envolvidos em guerras contra o ódio e a violência, e os problemas econômicos. "Hoje eu digo que os desafios que encaramos são reais. Eles são sérios e eles são muitos. Eles não vão ser vencidos facilmente, ou em um curto período de tempo. Mas sei disso, América, eles vão ser vencidos", disse.

"Neste dia, nos reunimos porque escolhemos esperança em vez de medo, unidade de propósito em vez de conflito e discórdia", continuou, lembrando o tema da sua campanha durante as eleições.

Obama, pediu aos americanos o início de "uma nova era de responsabilidade" em suas vidas e um novo papel para o país no mundo, baseado na cooperação e no diálogo. O novo presidente fez um apelo pelos valores fundamentais dos EUA para começar um novo capítulo na história americana.

"Neste dia, proclamo o fim das queixas mesquinhas e das falsas promessas, das recriminações e dos dogmas desgastados que durante tanto tempo estrangularam nossa política", disse.

Roteiro

A cerimônia no Capitólio terminou após os juramentos, orações e canções. Por volta das 16h (de Brasília), 13h locais, o presidente Barack Obama e a primeira-dama, Michelle, saíram para almoçar com os congressistas.

O agora ex-presidente americano George W. Bush sairá em seguida de helicóptero militar e partirá para o Texas.

Por volta das 17h30 (de Brasília), Obama vai participar da parada que seguirá do Capitólio até a Casa Branca, passando pela avenida Pensilvânia.

O país

Obama herda de George W. Bush uma potência com a economia abalada, um país envolvido em duas guerras, no Iraque e no Afeganistão. Segundo pesquisadores, o legado negativo de Bush pode impulsionar a administração de Obama, tanto que ele já assume com o apoio de quase 80% dos americanos.

Os dois presidentes se encontraram no início desta terça-feira, quando Obama foi à Casa Branca para encontrar-se com o predecessor antes da solenidade de juramento no Capitólio. Obama, sorridente, beijou Laura na face e apertou cordialmente a mão de Bush que lhe deu um tapinha no ombro; Michelle Obama beijou o casal Bush e entregou um presente a Laura.

Mais cedo, o novo presidente dos EUA foi rezar na igreja episcopal de St. John, conhecida como a ?igreja dos presidentes?. Ela tem 194 anos, e todos os presidentes já a frequentaram em algum momento do mandatos.

Multidão

Centenas de milhares de pessoas enfrentaram o frio e lotavam o Washington"s Mall, que se estende por cerca de 3 quilômetros desde o Capitólio até o Memorial Lincoln, no rio Potomac, e pela avenida Pensilvânia até a Casa Branca.

Um mar de pessoas tomou o gramado do Mall, muitas delas agitando bandeiras norte-americanas, cerca de duas horas antes da posse de Obama. "Isto está um caos agora", disse Judy Bailey, 42 anos, de Cincinnati, enquanto a polícia a afastava do local onde ocorrerá a cerimônia de juramento. "Mas é incrível estar aqui. É a história sendo feita".

O ingresso para assistir à cerimônia de posse custou US$ 25 (cerca de R$ 60), mas muita gente não conseguiu comprar. As pessoas começaram a chegar ainda de madrugada ao Capitólio, o Congresso Nacional dos americanos, sob um frio de quase oito graus negativos.

Dois milhões de pessoas acompanham em Washington a cerimônia de posse, segundo fontes de segurança citadas pelo ?Washington Post?.. Na posse de Lindon Johnson, em 1965, o parque já tinha visto 1,2 milhão de pessoas.

Segurança

Autoridades norte-americanas investigam uma "potencial ameaça", cuja credibilidade alegam ser incerta, relacionada à cerimônia de posse do presidente eleito dos Estados Unidos, Barack Obama, informou o Departamento de Segurança do país nesta terça-feira.

O esquema de segurança montado para a cerimônia de posse foi gigantesco e muito caro: foram gastos US$ 150 milhões, o equivalente a quase R$ 350 milhões, para garantir que nenhum incidente atrapalhe a posse de Barack Obama.

Desde cedo, policiais e soldados também se movimentavam pelas ruas. A segurança vai contar com a ajuda de satélites. Agentes monitoram cada metro quadrado de Washington. e equipes especializadas estão de prontidão até para um ataque químico ou biológico.

Fonte: g1, www.g1.com.br