Candidata a capital de Tapajós, Santarém amanhece de luto

Cerca de 4 milhões eleitores paraenses foram às urnas

A prefeita do município de Santarém, Maria do Carmo Martins, decidiu nesta segunda-feira decretar luto oficial de um dia na cidade após o anúncio do resultado do plebiscito, que manteve o Estado do Pará sem divisões. Na cidade, que seria a futura capital de Tapajós, 98% se declararam a favor da divisão.


Candidata a capital de Tapajós, Santarém amanhece de luto

As bandeiras de Santarém estão a meio mastro. E, na fachada do centro comercial, vários empresários estão colocando tarjas pretas na frente das lojas. Para Olavo das Neves, um dos líderes do Instituto Cidadão Pró-Estado do Tapajós, "as pessoas estão muito tristes, mas conscientes de que a região fez seu papel".

"Foi muito forte, durante a campanha, a ideia de que esse movimento era coisa de meia dúzia de políticos de Santarém, mas, como 98% dos eleitores da cidade disseram "sim", esse argumento foi desmentido. A capital Belém não entendeu as nossas necessidades e isso é o que mais machuca. Esse resultado não é o final da história é só mais um capítulo", defendeu o empresário.

A Câmara de Vereadores vota, nesta segunda-feira, uma moção de repúdio ao Estado do Pará, ao governador, Simão Jatene (PSDB), e ao vice-governador, Helenilson Pontes. "Esta moção representa o nosso descontentamento com o governo do Estado e com o vice. Simão Jatene influenciou no processo fazendo campanha pelo "não". Já o vice-governador, que é filho de Santarém, se omitiu no processo", disse o vereador Reginaldo Campos (PSB).

Políticos e lideranças da cidade têm várias reuniões programadas para hoje com o intuito de avaliar os resultados do plebiscito. Entre as medidas que já estão sendo estudadas está um projeto para a transferência da capital do Estado para o interior. Outra reivindicação é a descentralização da estrutura de Estado que hoje é toda concentrada em Belém.

Ontem, os paraenses foram às urnas para votar na proposta que dividia o Estado. Pelo resultado, 66,6% dos eleitores rejeitaram a criação dos Estados de Carajás e do Tapajós, enquanto 33,4% se disseram favoráveis.

Fonte: Terra, www.terra.com.br