Chávez chama EUA de "estúpidos" por criticarem compra de armas

Ele costuma acusar o "império" americano de tramar a derrubada do seu governo para se apoderar da sua riqueza petrolífera

O presidente venezuelano, Hugo Chávez, chamou na quinta-feira de "estúpidos" os americanos que se mostram preocupados com a compra de armas por Caracas, afirmando que continuará fazendo aquisições bélicas.

Chávez é o maior crítico dos EUA na América Latina, e Washington proibiu há cinco anos a venda de armas com tecnologia americana à Venezuela. Desde então, o governo venezuelano vem recorrendo à compra de equipamentos da Rússia e da China.

"Estão preocupados nos Estados Unidos porque a Venezuela está comprando não sei quantas armas e está se armando para agredir não sei quem. Não sejam estúpidos, ianques!", disse Chávez numa cerimônia em que recebeu a primeira de oito embarcações militares adquiridas da Espanha. Na véspera, durante visita à Colômbia, o subsecretário americano de Estado para as Américas, Arturo Valenzuela, insinuou que estaria preocupado com as aquisições venezuelanas.

"O que resta para lhes dizer é isso. Ou será que acham que nós somos estúpidos?", disse Chávez, para quem os EUA não têm moral para lhe fazer críticas, uma vez que possuem o maior gasto militar do mundo. Sem entrar em detalhes, Chávez disse que pretende deixar a Venezuela em "um nível de preparação operacional".

Ele costuma acusar o "império" americano de tramar a derrubada do seu governo para se apoderar da sua riqueza petrolífera, e diz que a presença de soldados dos EUA em bases da vizinha Colômbia é parte dessa estratégia. Os EUA e a Colômbia negam qualquer intenção de derrubar Chávez ou de invadir a Venezuela.

Nesta semana, após ser recebido por Chávez em Caracas, o primeiro-ministro russo, Vladimir Putin, disse que seu país poderia vender até US$ 5 bilhões em armas ao país. A Venezuela já possui desde o ano passado uma linha de crédito de US$ 2,2 bilhões concedida por Moscou para esse fim. EUA, Colômbia e Peru manifestam preocupação com essas aquisições, que até agora já incluíram 4 bilhões de dólares em fuzis, aviões militares e tanques.

Fonte: Terra