Com aval de réus do mensalão, ala do PT apoia Rui Falcão no comando

Membro da corrente Novo Rumo, Falcão recebeu apoio unânime da CNB para disputar a reeleição em novembro

Com a presença de três condenados no julgamento do mensalão, a ala majoritária do PT decidiu ontem oficializar o apoio à reeleição do deputado estadual Rui Falcão para o comando da sigla.

Além do ex-ministro José Dirceu, o deputado federal José Genoino e o ex-tesoureiro Delúbio Soares, cerca de 100 militantes da corrente Construindo um Novo Brasil (CNB) se reuniram num hotel no centro de São Paulo.

Membro da corrente Novo Rumo, Falcão recebeu apoio unânime da CNB para disputar a reeleição em novembro.

Potencial adversário, o deputado federal Paulo Teixeira (PT-SP), da Mensagem ao Partido, afirmou que só deve definir sua candidatura em fevereiro. Além de Falcão, o único nome certo para a disputa é a do dirigente nacional do PT, Valter Pomar, que concorrerá pela vertente Articulação de Esquerda.

Após a reunião, Falcão explicou que sua estratégia para a reeleição é manter e ampliar a aliança entre sua corrente e a chapa majoritária do partido. Discursando como candidato, Falcão disse que uma de suas metas será reeleger a presidente Dilma Rousseff em 2014.

"Ninguém nunca questionou a candidatura dela no partido. Já estou trabalhando para reelegê-la, e junto com o ex-presidente Lula", afirmou Falcão.

Condenados pelo STF no processo do mensalão, José Dirceu, Delúbio Soares e José Genoino não quiseram dar entrevistas. Dirceu entrou e saiu do hotel pela garagem, sem ter contato com os jornalistas.



10 ANOS DE GOVERNO

Na convenção, o secretário nacional do PT, Paulo Frateschi, afirmou que o partido deve lançar uma série de palestras e seminários em 2013 em comemoração aos 10 anos de governo petista.

Segundo ele, a intenção é construir uma narrativa própria sobre o período e ressaltar a "vitória sobre o neoliberalismo".

Frateschi disse ainda que, para abrir o calendário das comemorações, o partido deve realizar no dia 22 de fevereiro um evento em São Paulo que contará com a presença de Dilma e Lula.

Fonte: Folha