Coréia faz convite para que Dilma participe do G-20

Ela vai ter acesso irrestrito a todas os eventos relacionados à cúpula

O governo da Coreia do Sul, país que vai sediar as reuniões do G-20, fez um convite oficial nesta quinta-feira (4) para que a presidente eleita Dilma Rousseff participe da cúpula, informou o porta-voz interino da Presidência da República, Carlos Vilanova. Com o convite, Dilma terá acesso irrestrito a todos os eventos da cúpula, como um jantar que será oferecido pelo governo sul-coreano, as audiências do G-20 e um almoço com chefes de Estado.

É a segunda vez que dois presidentes do Brasil participam de um evento multilateral. Em 9 de dezembro de 1994, Itamar Franco, que era presidente do país na ocasião, levou o presidente-eleito naquele ano, Fernando Henrique Cardoso, para a Cúpula das Américas, em Miami. De acordo com o Planalto, Dilma embarca na segunda (8) à noite de avião comercial, acompanhada do ministro da Fazenda, Guido Mantega, e chega em Seul na quarta (10). Ela vai se hospedar no mesmo hotel do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e as despesas serão pagas pela Presidência da República.

O G-20 reúne os países detentores das 20 maiores economias mundiais. Um dos principais objetivos da cúpula será discutir a chamada ?guerra cambial?. Diante da crise financeira internacional, que ainda atinge fortemente os Estados Unidos, o governo norte-americano tomou medidas para injetar recursos na economia local, o que provocou a queda do dólar.

Diante disso, vários países tomaram medidas unilaterais para conter a desvalorização da moeda, já que ela prejudica as exportações. O Brasil, por exemplo, aumentou a alíquota do Imposto Sobre Operações Financeiras (IOF) para aplicação estrangeira em renda fixa.

O presidente Lula chega ao G-20 na quinta-feira por volta de meio-dia. Ela passa o dia no hotel e participa de um jantar oferecido pelo governo norte-coreano, marcado para as 19h. É possível que ele faça reuniões bilaterais durante a tarde. Há convites feitos pelos governos da Coreia do Sul, Vietnã, Austrália,África do Sul e Reino Unido.

Lula também deve se encontrar, na sexta (12), como o presidente da França, Nicolas Sarkozy, para uma reunião reservada. No mesmo dia, acontecem as reuniões do G-20, que terão aspecto informal, sem discursos agendados. Cada chefe de Estado poderá intervir quando desejar durante a discussão dos temas selecionados para o evento.

Entre os temas que serão debatidos na cúpula estão: reforma das instituições financeiras internacionais, desenvolvimento sustentável, corrupção e reforma do sistema financeiro. Lula e Dilma retornam ao Brasil no avião presidencial às 17h de sexta-feira (13).

Moçambique

Antes de embarcar para o G-20, Lula passa dois dias em Moçambique, na África. Ele embarca para a capital do país africano, Maputo, na segunda (8), às 11h. Acompanhado do ministro da Saúde, José Gomes Temporão, Lula vai visitar as instalações da futura fábrica de antirretrovirais, construída com tecnologia brasileira. Segundo o Ministério da Saúde, o governo brasileiro já disponibilizou R$ 13,6 milhões para a aquisição de equipamentos e formação da equipe de profissionais que trabalharão na fábrica.

A construção faz parte de uma parceria entre o Brasil e Moçambique que tem a finalidade de melhorar o acesso dos moçambicanos ao tratamento da Aids, doença que atinge 15% da população adulta do país. Segundo o porta-voz interino da Presidência, esta será a última viagem de Lula para a África. Durante o atual governo, o Brasil incrementou as relações diplomáticas com os países do continente africano.

?Nos últimos oito anos as relações com o país [Moçambique] se reforçaram, devido à prioridade das relações do Brasil com a África. Moçambique é o segundo maior beneficiário de ações brasileiras, atrás apenas do Haiti?, disse Vilanova.

Fonte: g1, www.g1.com.br