Delúbio sobre julgamento: "Creio em Deus, na Justiça e no povo"

Delúbio sobre julgamento: "Creio em Deus, na Justiça e no povo"

Sobre os crimes atribuídos a ele, Delúbio Soares repetiu o que sua defesa expressou nas alegações finais encaminhadas aos 11 ministros do STF

Em sua última manifestação antes do início do julgamento do mensalão na tarde desta quinta-feira, o ex-tesoureiro do PT, Delúbio Soares, reafirmou sua crença em "Deus, no povo e na Justiça" para se dizer otimista com a absolvição no caso.

Um dos 38 réus na ação penal, ele é acusado pelo Ministério Público Federal pelos crimes de formação de quadrilha e corrupção ativa.

Em texto divulgado em seu blog nesta quinta-feira (2), Delúbio disse que "não fui, não sou e nem serei vítima".

Questionando o uso da expressão "mensalão", como ficou conhecido o maior escândalo do governo Lula (2003-10) e acabou batizando a ação penal 470, Delúbio afirmou que está "isento da companhia insalubre" de quem tenta transformar o julgamento em um "circo midiático", "negando-me a presunção da inocência e colocando a faca no pescoço dos magistrados da mais alta e respeitável Corte".

Apegando-se à tese defendida pelo ex-presidente Lula, o ex-tesoureiro do PT disse que o mensalão está manipulado pela mídia e sofre "as mais abjetas pressões", sendo "apenas o óbvio e felliniano terceiro turno das seguidas eleições presidenciais que vencemos com Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff".

Sobre os crimes atribuídos a ele, Delúbio Soares repetiu o que sua defesa expressou nas alegações finais encaminhadas aos 11 ministros do Supremo Tribunal Federal: nega uso de "dinheiro público, um centavo sequer, nos fatos que ocasionaram o atual processo".

"Não houve a compra de partidos políticos, de senadores ou de deputados para que votassem matérias de interesse do governo. Não existiu mensalão algum", concluiu.

Fonte: Folha.com