Crise econômica rouba cena do primeiro debate presidencial nos Estados Unidos

Barack Obama e John McCain se reuniram por 97 minutos

Mais da metade dos 90 minutos destinados a discutir a pol?tica externa norte-americana no primeiro debate entre os candidatos ? Presid?ncia do pa?s foi usada para tratar da atual crise econ?mica que assola os Estados Unidos. Desde o princ?pio do encontro que acabou tomando 97 minutos, o mediador, o jornalista Jim Lehrer, questionou Barack Obama e John McCain sobre qual seria o comportamento deles em rela??o aos problemas econ?micos, se eles estivessem na Presid?ncia.

Foi somente depois de 50 minutos de discuss?o sobre quest?es financeiras que a primeira pergunta sobre rela?es internacionais apareceu. Com o tempo de meio debate, Barack Obama e John McCain ainda conseguiram discutir temas como a rela??o dos EUA com o Iraque, o Ir?, a R?ssia, o Afeganist?o, e at? temas que t?m rela??o com o Brasil.

Os dois candidatos evitaram confrontos diretos e violentos durante o debate, e acabaram discutindo pouco, por mais que a f?rmula do encontro permitisse que eles se dirigissem diretamente um ao outro.

Se ? verdade que a forma dos discursos ? mais importante de que o conte?do dos dois candidatos, como disse o pesquisador Alan Schroeder em entrevista ao G1, o senador republicano em muitos momentos pareceu mais seguro que Obama. O democrata pareceu nervoso, e chegou a gaguejar na tentativa de negar algumas das acusa?es de McCain, que falou de forma mais pausada tranq?ila. Obama chegou a repetir algumas vezes que o que McCain havia dito "n?o era verdade".

Uma primeira pesquisa realizada imediatamente ap?s o fim do encontro pela rede de TV CNN, entretanto, apontou que Barack Obama se saiu melhor de que McCain. Mais da metade dos entrevistados, 51%, disseram que Obama foi melhor, contra 38% que disseram que McCain se saiu melhor.

Economia

Os dois candidatos seguiram uma mesma linha de racioc?nio em rela??o ? necessidade de a??o en?rgica e imediata para controlar a atual crise financeira. Ambos disseram ser importante apoiar o pacote do atual governo, mas discordaram em rela??o ? forma do pacote.

O foco de todas as propostas de McCain em rela??o ? economia foi o corte de gastos governamentais. O republicano acusou Obama de querer aumentar os gastos, e disse que Washington est? ?fora de controle?.

Obama assumiu uma postura cr?tica e disse que todos os atuais problemas foram causados pelo governo Bush, que acusou McCain de apoiar. Ele evitou dizer de que prioridades abriria m?o por conta da crise econ?mica, mas falou em corte de impostos para as classes m?dias e em refor?ar as bases da economia popular.

Pol?tica Externa

Depois de metade do debate, os dois candidatos come?aram a discutir a pol?tica externa, que deveria ter sido o tema central do encontro. Era esperado que John McCain tivesse muito mais facilidade no assunto, mas viu-se um equil?brio entre os dois candidatos, permitindo um ou outro momento de discord?ncia mais forte.

O republicano tentou mostrar sua experi?ncia repetindo v?rias vezes que havia viajado aos pa?ses-chave da discuss?o. Ao mesmo tempo, tentou mostrar inexperi?ncia de Obama, a quem chamou de ing?nuo por algumas posi?es, incluindo a id?ia de se reunir com l?deres de pa?ses como o Ir?. McCain, inclusive, finalizou o debate dizendo que Obama n?o est? preparado para ser presidente.

Obama, por sua vez, respondeu ? acusa??o dizendo que n?o pretendia convidar l?deres como Mahmoud Ahmadinejad, do Ir?, por exemplo, ?para um ch?, mas que achava importante abrir o di?logo. Segundo ele, a pol?tica externa do governo Bush ? respons?vel pela deteriora??o da imagem dos Estados Unidos no mundo, o que aumenta o risco de ataques contra o pa?s.

Os dois candidatos disseram considerar o Ir? uma amea?a, e concordaram com a preocupa??o em rela??o ao comportamento da R?ssia. Eles voltaram a discutir a invas?o do Iraque, com Obama dizendo ter sido contra desde o princ?pio e McCain se dizendo mais preparado para contornar a situa??o.

Ao tratar do Afeganist?o, a preocupa??o acabou passando para o vizinho Paquist?o, com Obama assumindo uma postura surpreendentemente mais violenta de que a do republicano, chegando a amea?ar militarmente o pa?s, caso ele n?o coopere. McCain tentou parecer menos intervencionista, e disse que n?o amea?aria o pa?s, mas tentaria se aproximar do povo paquistan?s.

Brasil

Por mais que o Brasil n?o tenha sido citado por nenhum dos dois candidatos, ao tratarem de temas econ?micos relacionados ? crise, os dois abordaram a quest?o energ?tica e a produ??o de biocombust?veis. O assunto est? entre os mais importantes da rela??o comercial dos dois pa?ses.

Segundo Barack Obama, o pa?s precisa ter independ?ncia energ?tica. "Precisamos investir em energias alternativas, como o biodiesel. Precisamos melhorar o sistema de sa?de p?blico", disse. Em resposta, McCain tamb?m falou da import?ncia de fontes alternativas de energia. "Eu me oponho a subs?dios ao etanol, por exemplo", disse, entranto diretamente numa quest?o que interessa ao Brasil.

Fonte: g1, www.g1.com.br