Dados de condenados no mensalão e de Cachoeira caem na net

Dados de condenados no mensalão e de Cachoeira caem na net

Usuários divulgaram no Twitter informações como CPF, telefones e e-mails. Assessorias de STF, PT e Planalto não identificaram invasões a sites

Dados pessoais dos ex-dirigentes petistas José Dirceu, José Genoino e Delúbio Soares, condenados no mensalão, e do bicheiro Carlos Augusto de Almeida Ramos, o Carlinhos Cachoeira, foram divulgados na internet nesta terça-feira (8) por meio de endereços postados no microblog Twitter.

Em tom de protesto, as páginas contêm informações como número de CPF, endereços, telefones e e-mails. Os dados dos petistas foram divulgados entre a manhã e a tarde desta terça por usuários comumente conhecidos na rede como "crackers", que invadem bancos de dados fechados de forma não autorizada.

Na mensagem com os dados de Dirceu, Delúbio e Genoino, há um link que redireciona os internautas para uma página intitulada "Leaked and Exposed" (vazado e exposto). Nela, há um texto em que se diz que, "como prêmio" pela condenação, Genoino será remunerado com dinheiro público no período em que ocupar o cargo na Câmara dos Deputados.

O autor da mensagem convoca ainda a população a ir às ruas para protestar contra a posse do ex-presidente do PT no parlamento.

A página foi publicada cinco dias após Genoino tomar posse para um novo mandato de deputado federal. Condenado a 6 anos e 11 meses de prisão no julgamento do mensalão, o parlamentar assumiu na última quinta (3) a cadeira do deputado Carlinhos Almeida, eleito para a prefeitura de São José dos Campos, no interior paulista.

"O Brasil viveu um dos momentos mais constrangedores de sua história, não apenas por assistir a posse na Câmara dos Deputados de um corrupto e quadrilheiro condenado a seis anos e onze meses de prisão, mas pelo fato dele ter sido aplaudido por boa parte dos parlamentares, entre eles todos os petistas, como se fosse um herói nacional", diz a página na internet.

Tanto na mensagem publicada no Twitter quanto no site em que expôs os dados dos petistas condenados no mensalão, há menção ao portal do Palácio do Planalto. O invasor, contudo, não detalhou de onde obteve as informações sobre Dirceu, Genoino e Delúbio.

Procuradas, as assessorias de imprensa do Planalto, do PT e do STF informaram que, até a publicação desta reportagem, não haviam identificado nenhuma invasão aos seus sites. A Presidência disse que só armazena informações relativas a presidentes e ministros, de acordo com assessoria.

O Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro), que hospeda a página do Planalto, afirmou que o portal do governo "se mantém protegido". De acordo com a assessoria de imprensa do órgão, os dados técnicos descritos na mensagem dos crackers não conferem com os recursos tecnológicos utilizados pelo portal do Planalto.

"O Serpro assegura que as informações divulgadas não foram obtidas no site, que é uma página de informações estáticas", informou assessoria do Serpro.

Fonte: G1