Dr. Pinto repercute condenação de prefeito de Piripiri

Dr. Pinto repercute condenação de prefeito de Piripiri

Doutor Pinto concluiu lembrando que responde a 236 processos, todos movidos pelos seus inimigos políticos

O deputado José Pinto de Mesquita, o Doutor Pinto (PDT), ocupou a tribuna na sessão de hoje (22) para repercutir as notícias que anunciaram a condenação do prefeito de Piripiri, médico Luiz Meneses, pelo Tribunal Regional Federal da 1ª. Região, que acatou denúncia feita pelo Ministério Público Federal.

Doutor Pinto começou dizendo que “está acontecendo muita coisa em nossa cidade”, citando como novidade o recadastramento biométrico dos eleitores “que está sendo promovido pela Justiça Eleitoral, o que deve inibir a corrupção por compra do título, já que o eleitor passará a ser identificado pela impressão digital e ninguém poderá mais votar no lugar do outro”.

Outra novidade, segundo ainda Doutor Pinto, “foi uma reunião que o prefeito convocou para anunciar a construção de um Centro Administrativo, reunião esta que ele fez só com o pessoal dele e ainda não disse quanto à obra vai custar aos cofres públicos”. Segundo ainda o deputado, “o prefeito recebeu no ano passado mais de R$ 39 milhões para construir este Centro Administrativo e mais uma tal de “casa do relógio”, mais até hoje não se sabe se estas obras vão ser feitas”.

O processo que levou à condenação do prefeito Luis Meneses, segundo Doutor Pinto, “foi referente ao desvio de R$ 44 mil do Fundeb, além da aplicação de verba pública num carnaval fora de época, o Pirifolia”. Além disso, no seu tempo não havia merenda escolar e nem leite para crianças, o que levou o prefeito a ganhar naquela época o apelido de “Lobo Mau”, que são as letras que foram as iniciais de seu nome, “Luis Meneses”. Doutor Pinto concluiu lembrando que responde a 236 processos, todos movidos pelos seus inimigos políticos, mas nunca foi condenado em nenhum deles. Já o atual prefeito, “que foi denunciado pelo Ministério Público e não por mim”, já ganhou a sua primeira condenação.

Fonte: Alepi, www.alepi.pi.gov.br