Deputados e vereadores colhem assinaturas para pressionar votação de PEC 300

Vereadores de Teresina já agendaram uma audiência pública para o dia 14 de maio

A bancada federal piauiense, liderada pelo deputado José Maia Filho, o Mainha (DEM), trabalha para colher assinatura do maior número de parlamentares para pressionar o presidente da Câmara Federal, Michel Temer (PMDB) a colocar na pauta de votações a aprovação da PEC 300. Enquanto isso, vereadores de Teresina já colocaram o assunto na pauta de discussões da Câmara Municipal, em uma audiência pública marcada para o dia 14 de maio.

A informação é do vereador R.Silva (PP) que explicou que a proposta é fazer uma grande mobilização envolvendo policiais militares, bombeiros. ?Convidamos ainda deputados federais, estaduais e senadores. A idéia é aumentar a pressão nos Estados. É um movimento que irá acontecer em todos os Estados?, explicou, acrescentando que, da manifestação, sairá um abaixo assinado que será levado ao presidente da Câmara Federal. Segundo Mainha, o presidente Michel Temer, garantiu que não ?agüenta mais pressão pela aprovação da PEC? e que se colher o número de assinaturas suficiente, poderá colocar a PEC em pauta na próxima semana. ?Colhendo as assinaturas, o presidente colocará em pauta?, analisa.

As discussões em torno da PEC 300, que reajusta o pagamento dos policiais militares foram iniciadas ainda no segundo semestre de 2008. Neste ano, devido a intensa mobilizações, a proposta chegou a ser iniciada a votação em primeiro turno. No entanto, ficaram faltando a votação de quatro destaques. ?O deputado Mainha me informou que a frente parlamentar a favor da PEC está trabalhando para ingressar com uma ação no Supremo Tribunal Federal (STF) para que a proposta seja votada?, adiantou R.Silva, acrescentando que nesta quinta-feira, a partir das 17 horas, será realizado um encontro com representantes das associações de policiais e bombeiros militares. ?A idéia é pressionar para que a PEC seja votada e aprovada, garantindo uma remuneração digna aos policiais, igualando com os militares do Distrito Federal?, concluiu. (M.M)

Fonte: Mayara Martins