Diante da ameaça de renúncia, PT recua e volta a apoiar Sarney

A bancada do partido se reuniu com Sarney na residência oficial do presidente do Senado

O líder do PT no Senado, Aloizio Mercadante (SP), disse nesta quarta-feira (1º) que o partido voltou a apoiar a permanência de Sarney na presidência do Senado diante da possibilidade de ele renunciar ao cargo.

A bancada do partido se reuniu com Sarney na residência oficial do presidente da Casa, em Brasília, no início da noite. Segundo Mercadante, ele teria dito que poderia renunciar, mas descartava pedir um afastamento provisório. O líder do PT disse que entre uma eventual renúncia e o afastamento, o partido manteria o apoio a Sarney.

?O presidente disse que não quer ser um obstáculo ao Senado?, afirmou Mercadante, após a reunião. Ele voltou a repetir o que já havia dito pela manhã, ao tentar reduzir a responsabilidade do presidente do Senado pela crise. "A crise no Senado não pode ser debitada na conta de Sarney."

O líder do PT negou que a bancada do partido tenha sido pressionada por Sarney para rever sua posição. Nesta quarta, o partido defendeu que Sarney deveria se licenciar por 30 dias do cargo. O pedido foi feito durante o encontro de Sarney com Mercadante e com a líder do governo no Congresso, Ideli Salvatti (PT-SC), pela manhã.

?Há duas hipóteses neste momento que eu consideraria: a renúncia do presidente Sarney do cargo, mas esta não é a solução, ou a permanência [definitiva] dele. O afastamento temporário não deve prosperar?, disse o líder do PT.

A reunião na residência de Sarney reuniu 10 dos 12 senadores petistas. Apenas Flávio Arns (PR) e Tião Viana (AC) não compareceram. Viana disputou a presidência do Senado contra Sarney no começo do ano.

Na reunião com os petistas, Sarney teria dito que parte das críticas que recebe não são ?válidas? e que acatou as propostas do PT de uma criação de um colégio de líderes para ?administrar? a crise e a apuração de todas as denúncias de irregularidades na Casa.

Mercadante afirmou que a bancada do PT deve se reunir com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva nesta quinta-feira (2) para discutir a crise no Senado. O presidente voltou ao Brasil nesta quarta-feira à noite de viagem à Líbia.

Na terça-feira (30), DEM, PSDB, PDT e PSOL pediram o afastamento do presidente do comando da Casa. Seguindo postura semelhante à adotada pelo líder do PSDB, Arthur Virgílio, que protocolou uma representação por quebra de decoro contra Sarney na segunda-feira (29), o PSOL apresentou duas representações pelo mesmo motivo contra o presidente do Senado e contra o líder do PMDB, Renan Calheiros (AL).

"Tapetão"

Na Líbia, Lula disse que a oposição quer ganhar o Senado "no tapetão", em referência às pressões de senadores para que o presidente José Sarney (PMDB-AP) deixe a Presidência em razão da crise política que atinge a Casa.

"É importante para o DEM e PSDB, que querem que ele [Sarney] se afaste para o Marconi Perillo (senador pelo PSDB-GO e primeiro vice-presidente do Senado) assumir, o que não é nenhuma vantagem para ninguém. A única vantagem é para o Marconi Perillo e para o PSDB, ou seja, que quer ganhar o Senado no tapetão. Assim não é possível. Isso não faz parte do jogo democrático", declarou o presidente.

Por meio da assessoria do partido, o presidente nacional do PSDB, Sérgio Guerra (PE), rebateu as declarações de Lula. ?O presidente Lula devia saber que estamos fazendo todo o esforço possível para encontrar uma solução para o Senado. Os senadores do PT sabem disso. Afirmar que o PSDB quer assumir é uma profunda injustiça. Um presidente da República não pode viver eternamente em cima de um palanque. Sua afirmação não tem nenhum cabimento?, afirmou Guerra.

Fonte: g1, www.g1.com.br