Dias: Não trabalhamos com opiniões individuais

O governador Wellington Dias ressaltou que deve prevalecer a opinião oficial dos partidos.

As declarações do deputado federal Nazareno Fonteles (PT) não agradaram aos membros do diretório do Partido dos Trabalhadores (PT). O presidente do diretório estadual do partido, deputado Fábio Novo, voltou a dizer que ?o momento é de ouvir mais e falar menos?.

Comentando as declarações do deputado Nazareno Fonteles, o governador Wellington Dias ressaltou que deve prevalecer a opinião oficial dos partidos. ?O Nazareno terá que tratar internamente com o partido. Tenho a posição de cada partido, não posso trabalhar com o posicionamento individual de cada um. Todos os entendimentos são no sentido de pensar mais no Piauí do que no projeto individual de cada um ou de cada partido?, destacou.

O presidente do diretório petista acrescentou que no momento existem muitas conversações e que respeitava a posição do deputado Nazareno, mas frisou que a opinião dele não condiz com o posicionamento do partido. ?Declarações desse tipo, não ajuda. Só atrapalha. É um momento de falarmos menos e manter a postura que tivemos a todo momento?, diz, acrescentando que em casos de dissidências, é feita a votação de maneira democrática e que os membros do partido devem respeitar as deliberações.

Fábio Novo explicou que esteve em Brasília em conversa com vários membros da direção nacional do partido e a orientação que recebeu foi a de se buscar construir a unidade também no Piauí. ?Vamos continuar a conversação com todos os partidos. A ministra Dilma é a prioridade?, enfatiza, lembrando que o PT entregou, a cerca de 15 dias, um documento onde explicitava sua posição oficial ao governador.

De acordo com o parlamentar o documento foi elaborado fruto de um entendimento da executiva estadual do PT, em que o próprio Nazareno estava presente. ?Não seremos um empecilho para a unidade da base. Nenhum outro partido vai poder usar o argumento que o PT foi empecilho, independente de quem seja o candidato. Entramos no jogo sabendo das regras?, pontua, acrescentando que, se os critérios forem mantidos, o PT aceitará o nome escolhido. ?Se o João Vicente Claudino, Marcelo Castro ou Wilson Martins cumprir os critérios estabelecidos para sair candidato da base nós temos que nos curvar, assim como queremos que os outros também se curvem caso o Antônio José seja o escolhido?, afirmou. (M.M)

Fonte: Mayara Martins