Dilma Rousseff anuncia liberação de verbas para mobilidade urbana

Dilma Rousseff anuncia liberação de verbas para mobilidade urbana

Em pelo menos duas oportunidades, os investimentos liberados hoje foram classificados pela presidente como superiores a gestões passadas.

A presidente Dilma Rousseff (PT) anunciou nesta quinta-feira, em São Paulo, a liberação de pouco mais de R$ 4,33 bilhões para obras de mobilidade urbana, drenagem e saneamento e prevenção de enchentes. Desse total, R$ 1,7 bilhão foi liberado ao governo de São Paulo, via financiamento do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), para a Linha 6-Laranja do Metrô, que vai contemplar, entre seus 633 mil usuários/dia previstos, principalmente estudantes de seis universidades privadas ? Unip, Mackenzie, PUC-SP, FMU, Faap e FGV.

Os recursos compõem a segunda fase do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e foram anunciados em cerimônia na prefeitura de São Paulo, onde Dilma se reuniu com o governador Geraldo Alckmin (PSDB) e o prefeito Fernando Haddad (PT).

Poucos dias após ser alvo de críticas na convenção nacional do PSDB ? na qual o senador Aécio Neves foi oficializado candidato do partido à Presidência -, Dilma foi chamada por Alckmin de ?mensageira de boas novas a São Paulo?. Mesmo assim, fez questão de citar como obras que recebem recursos do governo federal tradicionais bandeiras hasteadas pela gestão Alckmin, como o Rodoanel e o Ferroanel.

Em pelo menos duas oportunidades, os investimentos liberados hoje foram classificados pela presidente como superiores a gestões passadas. "Tivemos muitos anos de baixo investimento em transporte coletivo, enquanto isso, a população continuava se expandindo, e a frota de veículos, crescendo", declarou a presidente, para quem há ?a perfeita consciência de que no passado não se investiu em mobilidade urbana nessa dimensão. No governo Lula começamos a fazer esses investimentos?.

Segundo a Secretaria de Estado de Transportes Metropolitanos do Estado, o R$ 1,7 bi liberados hoje pelo BNDES integrarão um conjunto total de R$ 9,612 bilhões orçados para o projeto. Desse valor, pouco mais de 53% são do Estado, e o restante, da iniciativa privada. Cerca de R$ 674 milhões serão destinados às desapropriações. Ao todo, serão 15 estações e 13,3 quilômetros de extensão, da Brasilândia, na zona norte, à estação São Joaquim, na região central.

?O financiamento é importantíssimo porque vai nos ajudar a cumprir nossa parte na PPP (Parceria Público Privada)?, afirmou Alckmin, para quem ?o governo federal tem sido um grande parceiro? e para quem a relação com Dilma representa ?um bom exemplo de que somos imunes aos ciclos políticos em benefício da nossa população?.

Entre os recursos liberados do PAC para a prefeitura, estão R$ 2,639 bilhões para drenagem e saneamento (R$ 651 milhões) e para mobilidade (R$ 1,988 bilhão). Entre as obras, há as de drenagem e saneamento em Perus e Capão Redondo, na zona sul, e seis corredores de ônibus: os perimetrais Bandeirantes/Salim Farah e Itaim Paulista/São Mateus, o da M?Boi Mirim/Estrada da Cachoeirinha, o Carlos Caldeira, o M?Boi Mirim/Estrada do Guavirituba e o trecho 1 do Belmira Marin.

"Sem dúvida, é a Copa das Copas", diz Dilma

Ainda na prefeitura, Dilma elogiou o andamento da Copa do Mundo no Brasil e o comportamento dos brasileiros em receber os turistas: ?O povo desse País que tem essa imensa capacidade de receber com hospitalidade pessoas, turistas, homens e mulheres de todos os cantos do mundo, de encantá-los, de serem gentis e que mostram que têm uma grande autoestima pelo seu País, que tem muito orgulho do País e muito orgulho dessa Copa do Mundo que hoje, sem dúvida nenhuma, é a Copa das Copas?, classificou.

O Mundial completa hoje duas semanas e teve em São Paulo sua abertura com a disputa entre Brasil e Croácia, na qual Dilma esteve presente. ?Demonstramos que somos perfeitamente capazes de garantir a segurança, a qualidade dos estádios, dos aeroportos?, afirmou a presidente, após agradecer governos e prefeitos relacionados às 12 cidades-sede do torneio.

Fonte: Terra