"É um dever meu resistir", diz Dilma Rousseff em Teresina

Presidente afastada recebeu o título de cidadania teresinense.

A presidente afastada Dilma Rousseff (PT) chegou em Teresina às 16h50 desta sexta-feira (15) no hangar de aviões de aviação civil do Aeroporto Petrônio Portella e se deslocou para a praça Pedro II, no centro de Teresina, onde se concentraram militantes do Partido dos Trabalhadores e dos movimentos populares que são contra o impeachment.

Na praça Pedro II, Dilma Rousseff recebeu o título de cidadã teresinense concedido pela Câmara Munipal de Teresina após aprovacão de proposição do vereador Gilberto Paixão (PT) e a medalha do Mérito Renascença entregue pelo governador Wellington Dias e a medalha ao mérito Heróis do Jenipapo, entregue pelo prefeito de Campo Maior, Paulo Martins (PT).

Para abrir os discursos, o senador Elmano Férrer, afirmou que a presidente afastada não cometeu nenhum crime de responsabilidade e todos os documentos foram analisados por ele no Senado. “Ela é uma mulher modesta e não cometeu nenhum crime”, afirmou.

O vereador responsável pela concessão do título para a presidente, Gilberto Paixão,  afirmou que para o povo de Teresina é um orgulho ter Dilma como uma filha de Teresina. “Em 2013 nós tivemos a ideia de conceder o titulo de cidadania teresinense para ela e agora ela é e genuinamente filha de teresinense. Dilma a partir de hoje é filha de Teresina e o povo de Teresina realmente agradece por tudo que ela fez por nosso povo, pelo investimento que ela concedeu para nossa capital, nós somos muito gratos por tudo isso. Queremos continuar com ela na presidência da república porque nós sabemos o tamanho do seu coração, queremos continuar com a política de inserção social, tanto para os idosos, como para os trabalhadores e também para a juventude”, declarou.

O governador do Estado, Wellington Dias, declarou que é um grande prazer receber a presidente Dilma na cidade e todas as homenagens feitas para ela são válidas. “Todas essas homenagens representam 70% da população do Piauí que aprova o governo Dilma Rousseff, e nós somos contra o golpe”, disse.

“Viajando pelo Piauí a gente percebe que em cada município do Estado existe a presença do governo Dilma Rousseff, em cada conjunto habitacional, em cada unidade básica de saúde, para mim é uma satisfação muito grande viver no Estado que teve tantas mudanças com a primeira mulher presidente da república. Esse ódio que estamos vivendo no país não é um ódio apenas contra a presidente Dilma, é um ódio contra o povo desse país. A senhora representa uma luta da juventude, a luta por uma constituição. No Piauí, a senhora fica e será presidente”, discursou o governador.

Dilma em Teresina (Crédito: Kelson Fontenele)
Presidente afastada Dilma Rousseff em Teresina (Crédito: Kelson Fontinele)

A presidente afastada, Dilma Rousseff (PT), abriu o seu discurso declarando que está muito feliz de estar em Teresina e muito orgulhosa por tudo que já construiu na capital e no Estado. Dilma agradeceu os mais de 1 milhão de votos que recebeu no Estado e deixou claro que vai honrar toda a confiança do povo. A presidente afastada agradeceu a parceria com o governador Wellington Dias, com os senadores Elmano Férrer e Regina Sousa e cumprimentou as autoridades presentes como deputados federais, estaduais e vereadores.

“As outras vezes que eu vinha aqui eu vinha inaugurar ou lançar várias obras e programas sociais e hoje é um dia diferente, infelizmente eu não venho aqui lançar um programa, inaugurar uma obra nossa já pronta, mas eu vim aqui para uma tarefa muito importante que é lutar pela democracia e pelos direitos que nós brasileiros conquistamos nos últimos tempos. Eu prometo voltar para nós inaugurarmos nossas obras, essas que estão em andamento. Das 85 mil casas do ‘Minha Casa Minha Vida’, nós entregamos 51 mil, mas o resto está em construção, eu tenho certeza que será um momento todo especial para mim poder voltar aqui e entregar mais casas, dando continuidade a esse programa”, disse.

Dilma em Teresina (Crédito: Kelson Fontenele)
Presidente afastada Dilma Rousseff em Teresina (Crédito: Kelson Fontinele)

Dilma afirmou que algo muito grave está acontecendo no país e que estão mudando as regras do jogo de forma irregular: “Estão mexendo nas regras do jogo com o jogo em andamento, estão expulsando todos os jogadores, é uma irregularidade só. Além de mudar as regras, querem ganhar no tapetão, sem os jogadores do outro lado poderem jogar. Nós temos dito que é um golpe porque é um golpe, não tem crime de responsabilidade, agora a ultima decisão do próprio Ministério Público é dizer que não há pedaladas, passaram dois anos dizendo que tinha pedaladas. A gente também viu coisas estarrecedoras, nós vimos as gravações desse governo provisório e no audio ele dizia que tinha que me tirar para impedir que as investigações alcançassem ele. Mas o que eu acho extremamente grave é que eles estão tomando medidas sendo um governo provisório e se eu não voltar essas medidas graves que não tiveram um único voto se tornarão permanentes. Alguns de vocês votou que a educação e a saúde não teriam recursos necessários para atender todos os jovens, crianças, homens e mulheres que recorrerem? Tenho certeza que nenhum de nós votou nisso, ninguém aqui concorda que o SUS tem que ser substituído por um plano de saúde pequeno que não cobre o básico e é o plano que eles querem destinar para os pobres porque eles dizem que no orçamento não cabe o SUS. Nós fizemos toda uma política para garantir o acesso a educação, o acesso a universidade, aumentando as vagas do ensino, nós financiamos para ajudar as pessoas a chegarem nas universidades, esses que estão aí são contra que a população que estuda em um colégio público tenha acesso a uma universidade, nós não somos a favor desse absurdo. Na semana passada eles anunciaram algo absurdo que era aumentar a jornada de trabalho para 80 horas semanais, como trabalhar 80 horas semanais? É a pessoa não ter tempo de comer, de ficar com a família, não ter direito a nada a não ser escravidão”, criticou a presidente afastada.

“Por trás desse golpe tem uma característica muito interessante, ele detesta o nome ‘golpe’, a palavra é uma coisa muito forte, tem o poder de revelar, denunciar, esclarecer. Eles dizem que golpe é aquilo que aconteceu no Brasil na época da ditadura, e portanto hoje como nós não vivemos uma ditadura não é golpe, é golpe sim. Todo poder que emana do povo ele tem que ser exercido em nome do povo, quando não é eleito pelo voto popular você chega a situação que nós estamos”, disse Dilma Rousseff.

Para finalizar o seu discurso, a presidente afirmou que não vai renunciar: “Eles achavam que o caminho mais fácil para mim porque eu sou mulher era a renúncia, acharam que eu seria fraca porque eles são um governo de uma conspiração de homens ricos e brancos. Eu não vou renunciar porque eu não tenho conta no exterior, eu não cometi nenhum crime de corrupção. Eu acho que é um dever meu para com os votos que eu recebi, para esses mais de 1 milhão de votos que eu recebi no Piauí, é um dever meu resistir. Se tem uma coisa que me dá força e luz é essa manifestação, porque eu sei que tem alguém pedindo para eu lutar, me dá luz por que é nas palavras de todos aqui que nós encontramos um caminho. Nós vamos criar um ambiente verdadeiro de salvação nacional, nós seremos capazes também de construir o caminho para o Brasil voltar para que a gente possa garantir um novo caminho. Vocês não imaginam a alegria que nós ficamos quando o Brasil saiu do mapa da fome, nós fizemos todo o esforço, não podemos deixar que isso volte para trás, hoje eu estou aqui diante de vocês e sei que juntos nós seremos capazes. Eu vou lutar em todas as frentes, peço a vocês que nós criemos no brasil um ambiente para fortalecer essa democracia que nós construimos com tanta dificuldade. Eu conto com vocês”, concluiu.

Dilma em Teresina (Crédito: Kelson Fontenele)
Presidente afastada Dilma Rousseff em Teresina (Crédito: Kelson Fontinele)
Dilma em Teresina (Crédito: Kelson Fontenele)
Presidente afastada Dilma Rousseff em Teresina (Crédito: Kelson Fontinele)
Dilma em Teresina (Crédito: Kelson Fontenele)
Presidente afastada Dilma Rousseff em Teresina (Crédito: Kelson Fontinele)
Dilma em Teresina (Crédito: Kelson Fontenele)
Presidente afastada Dilma Rousseff em Teresina (Crédito: Kelson Fontinele)
Dilma em Teresina (Crédito: Kelson Fontenele)
Presidente afastada Dilma Rousseff em Teresina (Crédito: Kelson Fontinele)
Dilma em Teresina (Crédito: Kelson Fontenele)
Presidente afastada Dilma Rousseff em Teresina (Crédito: Kelson Fontinele)
Dilma em Teresina (Crédito: Kelson Fontenele)
Presidente afastada Dilma Rousseff em Teresina (Crédito: Kelson Fontinele)
Dilma em Teresina (Crédito: Kelson Fontenele)
Presidente afastada Dilma Rousseff em Teresina (Crédito: Kelson Fontinele)
Dilma em Teresina (Crédito: Kelson Fontenele)
Presidente afastada Dilma Rousseff em Teresina (Crédito: Kelson Fontinele)
Dilma em Teresina (Crédito: Kelson Fontenele)
Presidente afastada Dilma Rousseff em Teresina (Crédito: Kelson Fontinele)
Dilma em Teresina (Crédito: Kelson Fontenele)
Presidente afastada Dilma Rousseff em Teresina (Crédito: Kelson Fontinele)
Dilma em Teresina (Crédito: Kelson Fontenele)
Presidente afastada Dilma Rousseff em Teresina (Crédito: Kelson Fontinele)
Presidente afastada Dilma Rousseff em Teresina (Crédito: Kelson Fontinele)
Fonte: Mayara Dias