Dilma diz que Erenice tomou atitude correta

Dilma diz que Erenice tomou atitude correta

Dilma também negou qualquer envolvimento no caso

A candidata à Presidência da República pelo PT, Dilma Rousseff, disse nesta quinta-feira (16) que a ex-ministra da Casa Civil, Erenice Guerra, tomou atitude correta ao deixar o cargo. "Eu considero que a ministra tomou a atitude mais correta. Como o caso exige investigação, sempre bom que a autoridade se afaste para garantir e assegurar que a investigação transcorra da melhor forma possível," disse em evento no Rio de Janeiro. A saída de Erenice foi anunciada nesta quinta, após denúncias de que seu filho teria feito lobby na Casa Civil.

Dilma também negou qualquer envolvimento no caso. "Eu não estou envolvida nesse caso. Como eu estou envolvida nesse caso? Onde está a prova de que eu esteja envolvida nesse caso?Tem de provar que você fez. E não você provar que não fez. Aliás, eu tomei conhecimento dele pelos jornais. Eu não estou envolvida nesse caso. Onde estão as provas?" disse.

Ao ser perguntada por jornalistas se a queda de Erenice, que era seu braço direito e foi indicada por Dilma para o cargo, poderia prejudicar os últimos dias de campanha, ela respondeu que não. "Eu não acredito que tenha uma coisa a ver com a outra."

Nesta quinta (16), reportagem do jornal ?Folha de S.Paulo? diz que Israel Guerra, filho de Erenice, pediu uma comissão para obter no Banco Nacional de Desenvolvimento Social (BNDES) empréstimo para uma empresa energética. De acordo com a publicação, os donos da companhia se reuniram com Erenice em novembro do ano passado.

Dilma comentou a denúncia: "Se é verdade o que os jornais estão dizendo, ela exige uma rigorosa investigação. (...) Seria um dos mais caros projetos. Se o BNDES o recusou fez muito bem. Além disso, não tenho conhecimento do BNDES ter contratado nenhum projeto que não tenha a garantia de contrato em venda em leilão. Então, essa história me parece...sabe aquela história de compra e venda de terreno na lua? Me parece isso."

Segundo reportagem da revista ?Veja? do dia 11 de setembro, Israel teria intermediado também contratos de uma empresa de transporte aéreo MTA com os Correios mediante pagamento de propina.

Na carta de demissão "em caráter irrevogável" redigida por Erenice, ela classificou como "levianas" as denúncias contra ela e disse "necessitar de paz" para se defender. Ela voltou a dizer que as acusações contra ela têm motivação eleitoral. ?As paixões eleitorais não podem justificar esse vale-tudo?, disse.

Na última terça-feira (7), ela divulgou nota em que atribui as denúncias a um ?candidato aético e derrotado?.

A decisão de substituir Erenice foi tomada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva após uma reunião com a ministra nesta quinta. O substituto interino é o atual secretário-executivo da pasta, Carlos Eduardo Esteves Lima. De acordo com o Planalto, o novo ocupante do cargo deve ser nomeado na próxima semana.

Fonte: g1, www.g1.com.br