Dilma diz que gostaria de subir em palanque com Ciro Gomes

Dilma diz que gostaria de subir em palanque com Ciro Gomes

"Eu convivi com ele diariamente durante o primeiro governo do presidente Lula."

A ministra chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff (PT), afirmou nesta quarta-feira, durante inauguração do gasoduto Cabiunas-Reduc III (Gasduc III), em Duque de Caxias (RJ), que gostaria de subir em um palanque com o deputado Ciro Gomes (PSB). "Eu convivi com ele diariamente durante o primeiro governo do presidente Lula. Tenho uma admiração por ele, acho ele uma pessoa leal, correta, inteligente, capaz, uma pessoa de opinião", disse. "Tenho muito respeito pelo deputado Ciro Gomes e gostaria de estar no palanque com ele, mas essa é uma decisão que não é minha, é dele."

Em pesquisa do CNT/Sensus, divulgada na segunda-feira, Ciro aparece em terceiro lugar, com 11,9% das intenções de voto, atrás do governador de São Paulo, José Serra (PSDB), que soma 33,2%, e a ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff (PT), com 27,8%. Setores do PT negociam, no entanto, que Ciro dispute o governo de São Paulo e abra mão da candidatura à Presidência.

O gasoduto inaugurado hoje, que pode transportar o gás natural produzido nas bacias de Campos e Espírito Santo, o gás importado da Bolívia e o gás proveniente do Terminal de Regaseificacao da Baía de Guanabara, representa um passo estratégico importante em direção a independência do Brasil em relação ao gás da Bolívia, segundo ela.

Durante o discurso de inauguração, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse que a prioridade número um do momento é energia elétrica. "Se tiver uma crise grande de energia, a primeira coisa que vamos fazer é usar o gás para garantir energia elétrica na casa de cada brasileiro", disse o presidente, afirmando que essa é mais uma das obras do PAC inauguradas.

"Se for somado tudo o que os políticos investiram em saneamento básico nos últimos anos, não dá um terço do que investimos. Vocês vão ter uma surpresa com o que vai acontecer com comunidades carentes, como a Rocinha", afirmou. "O que estamos fazendo agora e um processo de reparação da irresponsabilidade dos outros governantes que permitiram que as pessoas morassem em áreas inadequadas. Os prefeitos tem que ter a coragem de não permitir que isso aconteça."

Ao ser aplaudido pelos trabalhadores responsáveis pela construção do gasoduto, o presidente falou sobre o recente problema de pressão. "Esse negócio de ser corintiano é um sofrimento danado. O coração às vezes sai pelo pé", disse. "Mas se tem uma coisa que me orgulha é a minha pressão, que regularmente é de 11 por 7. E, se as pessoas pensam que eu vou ficar sentadinho em Brasília depois disso, vão se frustrar. Só de obras da Petrobras, vamos inaugurar três no próximo mês."

Fonte: Terra, www.terra.com.br