Dilma diz que não se pode repetir na Olimpíada o pessimismo que houve na preparação da Copa

Dilma diz que não se pode repetir na Olimpíada o pessimismo que houve na preparação da Copa

A presidente celebra o sucesso da Copa um dia depois de o adversário Aécio Neves, do PSDB, ter dito que o governo faz uso político do tema

Em bate-papo com os internautas pelo Facebook do Palácio do Planalto, a presidente Dilma Rousseff falou na manhã desta segunda-feira 7 sobre a Copa das Copas e disse esperar que a entrega da taça, feita por ela no próximo domingo 13, seja para o Brasil. "Vou entregar taça, e torço para que seja para o Brasil", escreveu a presidente. Para o jogo desta terça-feira, contra a Alemanha, pela semifinal, disse que "qualquer placar serve", desde que seja a vitória. "Eu só quero ganhar", publicou.

Ao comentar brincadeira de um internauta, que disse querer "mais Copa", provocou: "Veja você Israel, antes falavam que não ia ter Copa. Agora, muita gente boa quer mais Copa. Tudo com gosto de quero mais". A declaração rebate os críticos e pessimistas em relação ao Mundial. A presidente celebra o sucesso da Copa um dia depois de o adversário Aécio Neves, do PSDB, ter dito que o governo faz uso político do tema.

A presidente disse não concordar que o atraso das obras da Copa tenha prejudicado o evento e defendeu que o pessimismo não se repita na Olimpíada de 2016. "Não é verdade que houve brigas políticas que atrasaram as obras da Copa. Não concordo que houve qualquer prejuízo para a Copa do Mundo com obras atrasadas. Não podemos repetir na Olimpíada o indevido pessimismo que houve na preparação da Copa. Isso é algo que devemos aprender. A prefeitura do Rio informa que 60% das obras do Complexo Deodoro estão prontas, restando 40%".

Questionada se não teme passar por um constrangimento na final da Copa, como ocorreu na abertura, quando ela foi xingada no Itaquerão, Dilma respondeu: "são ossos do ofício". Ela falou ainda sobre o impacto do Mundial para a economia e a expectativa pessimistas para o PIB de 2014. "O mesmo pessimismo que anteciparam para a Copa e que se mostrou equivocado, ocorre quando falam sobre o PIB de 2014. Nós acreditamos na força da economia brasileira para se superar diante das dificuldades derivadas da crise internacional".

Dilma também voltou a comentar a perda do craque Neymar e, a pedido do perfil Dilma Bolada, sátira da presidente nas redes sociais, postou uma foto fazendo o "T", de "tóis", como faz o craque (veja aqui). "A dor do Neymar ao ser atingido feriu o coração de todos os brasileiros. O Neymar está aí, mesmo ferido, querendo jogar. É um guerreiro. O exemplo de resistência do Neymar vai fortalecer a Seleção. Fazê-la se superar", disse a presidente.

Fonte: brasil247.com