Para 2016, Dilma Rousseff promete reformas e a inflação em queda

O governo fará de 2016 um ano de diálogo com todos.

A presidente Dilma Rousseff afirmou, em artigo assinado e publicado na edição desta sexta-feira (1) do jornal "Folha de S.Paulo", que, embora "injustamente questionada", não alimenta "mágoas nem rancores" em razão do pedido de impeachment que tramita na Câmara dos Deputados.


Dilma Rousseff (Crédito: Divulgação )
Dilma Rousseff (Crédito: Divulgação )

No artigo, intitulado "Um feliz 2016 para o povo brasileiro",  ela apontou a necessidade de reflexão sobre "erros e acertos de nossas atitudes" em 2015 – um ano "muito duro", segundo disse – e, para 2016, ofereceu diálogo.

"Mesmo injustamente questionada pela tentativa de impeachment, não alimento mágoas nem rancores. O governo fará de 2016 um ano de diálogo com todos os que desejam construir uma realidade melhor", escreveu.

Em relação à conjuntura econônica, a presidente afirmou que a inflação cairá, prometeu a formulação de propostas de reformas previdenciária e tributária e disse que persistirá no ajuste orçamentário, em busca de equilíbrio fiscal.

"Sei que as famílias brasileiras se preocupam com a inflação. Enfrentá-la é nossa prioridade. Ela cairá em 2016, como demonstram as expectativas dos próprios agentes econômicos", afirmou. Sobre as reformas, escreveu: "Convocarei o Conselho de Desenvolvimento Social, formado por trabalhadores, empresários e ministros, para discutir propostas de reformas para o nosso sistema produtivo, especialmente no aspecto tributário, a fim de construirmos um Brasil mais eficiente e competitivo no mercado internacional."

Segundo Dilma, a economia brasileira tem "solidez" e isso será a base para a retomada da trajetória de crescimento. Para ela, o país terminará 2016 melhor do que apontam as atuais previsões.

A presidente atribuiu a revisão da política econômica adotada pelo governo a fatores internacionais que, segundo afirmou, afetaram o setor produtivo: "queda vertiginosa do valor de nossos principais produtos de exportação, desaceleração de economias estratégicas para o Brasil e a adaptação a um novo patamar cambial, com suas evidentes pressões inflacionárias".

Ela reafirmou o compromisso de obter neste ano um superávit de 0,5% do Produto Interno Bruto (PIB), conforme proposta enviada ao Congresso e aprovada pelos parlamentares. "Fizemos e faremos esse esforço sem transferir a conta para os que mais precisam."

Dilma disse que o governo "está fazendo sua parte" em relação à redução das despesas e racionalização dos recursos públicos. "Executamos um duro plano de contenção de gastos, economizando mais de R$ 108 bilhões em 2015 – o maior contingenciamento já realizado no país."

A presidente também afirmou que as instituições "foram exigidas como nunca" em 2015, "responderam às suas responsabilidade" e se tornaram "mais robustas e protegidas" após as operações de combate à corrupção.

Fonte: Com informações do G1