Dilma: “Não vamos permitir que nossa democracia seja manchada”

"Eles [os opositores] exercem a violência", disse a presidente.

Na sexta-feira, dia 01 de abril, a presidente Dilma Rousseff declarou que a democracia no Brasil está “ameaçada” e disse que “precisamos nos manter vigilantes e oferecer resistências às tendências antidemocráticas e às provocações". 

“Hoje, precisamos nos manter vigilantes e oferecer resistências às tendências antidemocráticas e às provocações. Nós não defendemos qualquer processo de perseguição de qualquer autoridade porque pensa assim ou assado. Nós não defendemos a violência. Eles [os opositores] defendem. Eles exercem a violência. Nós, não. Sem democracia, a estrada das lutas pela igualdade, contra o preconceito será muito mais difícil. Por isso, nós não vamos permitir que nossa democracia seja manchada”, afirmou Dilma.

Chefe do executivo realizou discursou para plateia de representantes de movimentos sociais e sindicais ligados ao campo e integrantes de comunidades quilombolas e do movimento negro que gritaram “Não vai ter golpe, vai ter luta” e “Viva a democracia”. No evento, Dilma assinou 25 decretos de desapropriação de imóveis rurais para reforma agrária e regularização de territórios quilombolas, no total de 56,5 mil hectares.

Esta semana, a presidente recebeu o apoio de intelectuais e artistas e de movimentos sociais ligados à moradia. Na semana passada, juristas foram ao Palácio do Planalto em defesa de Dilma e contra o impeachment.

Dilma Rousseff
Dilma Rousseff


Fonte: Agência Brasil