Dilma Roussef  nega que pacote à indústria tenha fins eleitoreiros

Dilma Roussef nega que pacote à indústria tenha fins eleitoreiros

O governo federal anunciou medidas que atenderam a demandas dos próprios empresários

Apesar de interlocutores do governo afirmarem que o pacote de estímulo à indústria tenha como uma das intenções aproximar o governos dos empresários, mais inclinados ao candidato Aécio Neves (PSDB), Dilma Rousseff negou que as medidas tenham caráter eleitoreiro. Para a presidente os anúncios foram diretos ao setor e conforme a legislação eleitoral.

"É o seguinte: se for assim, tudo é o eleitoral neste país. A lei é clara: não se toma certas medidas após um determinado prazo. Nós estamos perfeitamente no uso da legalidade neste país?, afirmou. ?E tem outra coisa: é impossível o país parar porque um ou outro acha que a medida tem essa ou aquela função ou destino?.

Nesta quarta-feira, o governo federal anunciou medidas que atenderam a demandas dos próprios empresários e prometem alavancar a competitividade do setor, que vive uma crise de confiança. ?O que nós temos de discutir é o seguinte: isso é necessário ou não é necessário para as empresas? É necessário ou não é necessário para a indústria? É cabível ou não é cabível? Esta é a pergunta correta. Se não for cabível, está errado?, disse a Dilma.

?Eu acho que não só uma questão de melhorar a relação com empresários. É uma questão de melhorar a situação de competitividade da nossa indústria?, concluiu.

Fonte: Jornal do Brasil