Dilma quer endurecer relação com a China

Quer ampliar parcerias, mas autorizou seu ministério a endurecer no front comercial

Entusiasta do modelo de desenvolvimento chinês e leitora contumaz das dinastias que dominaram o passado milenar da potência asiática, a presidente Dilma Rousseff quer tirar mais da China do que fez qualquer um de seus antecessores.

Segundo reportagem de Natuza Nery, Simone Iglesias e Leila Coimbra, da sucursal de Brasília da Folha de S.Paulo, ela encomendou à sua equipe uma estratégia para impulsionar a diplomacia sino-brasileira; um plano que reflita posições do governo, não somente do Itamaraty.

Quer ampliar parcerias, mas autorizou seu ministério a endurecer no front comercial e, quando possível, selecionar investimentos que venham de lá.

A estratégia brasileira em discussão indica um reposicionamento do jogo diplomático em relação a Pequim. Até mesmo o Itamaraty admite elevar o tom em algumas áreas e cobrar mais apoio do aliado em embates internacionais. Leia a íntegra na edição deste domingo da Folha.

Fonte: g1, www.g1.com.br