Dilma sobrevoa áreas afetadas por temporais após 18 mortes em MG

Antes, no dia 24 de dezembro, ela havia sobrevoado o estado do Espírito Santo, que também foi bastante atingido por temporais.


Dilma sobrevoa áreas afetadas por temporais após 18 mortes em MG

A presidente Dilma Rousseff sobrevoou as regiões atingidas por temporais no leste de Minas Gerais na manhã desta sexta-feira (27). Ela partiu em um helicóptero do aeroporto de Governador Valadares, cidade que está em estado de emergência por conta dos estragos causados pelos temporais. O governador de Minas Gerais, Antonio Anastasia, acompanha a presidente, entre outras autoridades.

De acordo com a Coordenadoria Estadual de Defesa Civil de Minas Gerais, 18 pessoas morreram no estado vítimas da chuva e outras 60 ficaram feridas. Em todo o estado, 34 cidades estão em situação de emergência .Mais de sete mil casas foram danificadas e 116 destruídas.

Mais de dez mil pessoas estão fora de casa por causa da chuva. Segundo o boletim da Defesa Civil divulgado na tarde de quinta-feira (26), são 6.959 pessoas desalojadas e outras 2.460 desabrigadas.

Férias interrompidas

Dilma partiu para Minas Gerais da base naval de Aratu (BA), da Marinha, para onde viajou nesta quinta (26), a fim de passar um período de férias. As férias da presidente na Bahia devem terminar no dia 5, data em que está previsto o retorno para Brasília. Ela viajou para a Bahia acompanhada da filha, Paula, do neto, Gabriel, e do genro, Rafael Covolo.

Antes, no dia 24 de dezembro, ela havia sobrevoado o estado do Espírito Santo, que também foi bastante atingido por temporais.

Mortes

A última morte em Minas Gerais foi registrada no dia 26 de dezembro, quando foi encontrado o corpo de uma mulher em Juiz de Fora (MG). Ela estava dentro de uma casa que desabou.

A 17ª morte foi a de um menino de sete anos encontrado após um desabamento de terra em Sardoá, no leste do estado. Outras seis pessoas da mesma família morreram no incidente, que ocorreu no dia 17.

No dia 24 de dezembro morreu a 16ª vítima da chuva em Minas. Um homem de 48 anos atingido por um deslizamento de terra em Itabira, na região central do estado.

Em Belo Horizonte, um homem que estava se afogando dentro de um carro morreu no dia 23 de dezembro. Ele chegou a ser resgatado, mas não resistiu. Ainda na segunda, em Itanhomi, no Leste do estado, uma casa desabou e matou uma mulher. A idade não foi confirmada, mas ela teria aproximadamente 60 anos.

Em Governador Valadares, duas crianças morreram na noite de 22 de dezembro, após um deslizamento no Bairro Vera Cruz. De acordo com o Corpo de Bombeiros, a terra deslizou em cima do muro da casa em que elas estavam, arrastando o imóvel. As crianças de três e 11 anos chegaram a ser resgatadas com vida, mas não resistiram. No mesmo dia, em Ipatinga, um homem de 33 anos morreu soterrado ao tentar salvar o cão de estimação. No dia 20 de dezembro, em Timóteo, um idoso também foi vítima de soterramento, após deslizamento de terra em um lote.

No dia 19 de dezembro, um homem de 30 anos morreu ao tentar atravessar o Córrego Bebedouro, em Francisco Sá. No dia 18, uma mulher de 61 anos morreu após o deslizamento de uma encosta sobre a rodovia MG-474, em Aimorés.

Os dois primeiros óbitos foram registrados em Caratinga, Astolfo Dutra, na Zona da Mata. No dia 6, uma adolescente de 12 anos morreu depois de um desmoronamento de uma casa, no município da Zona da Mata. No dia 4 de outubro, um homem de 22 anos foi atingindo por um raio enquanto trabalhava em uma área rural de Astolfo Dutra.

Fonte: G1